Bush inicia homenagens às vítimas do 11/9

Inaugurando a série de atos oficiais para marcar o quinto aniversário dos atentados de 11 de Setembro, o presidente americano, George W. Bush, depositou neste domingo flores no Marco Zero, onde se erguiam as torres do World Trade Center, em Nova York. Ele e a primeira-dama Laura Bush depositaram coroas de flores vermelhas e brancas no local onde existiram as torres gêmeas.Em seguida, os dois participaram de uma cerimônia religiosa realizada na Capela Saint-Paul em homenagem aos mais de 2.600 mortos pelos choque de dois aviões da American Airlines contra as torres norte e sul do Word Trade Center.Os dois eventos fazem parte de uma série que serão realizados nos Estados Unidos. O país fará um minuto de silêncio nesta segunda-feira,11, às 8h46 (9h46 de Brasília), hora que o primeiro avião se chocou contra a torre norte.Em Manhattan, o presidente Bush visitará um quartel dos bombeiros e assistirá a uma cerimônia onde o quarto avião seqüestrado foi intencionalmente derrubado em um campo próximo a Shanksville, Pensilvânia, após os passageiros enfrentarem os terroristas. Em seguida, vai depositar flores no Pentágono, o departamento de Defesa dos Estados Unidos, que também foi atingido por um avião no 11 de setembro.À noite, Bush fará um discurso à Nação no salão oval da Casa Branca. Ele estará acompanhado pela primeira-dama, o governador de Nova York, George Pataki, o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, e Rudolph Giuliani, que era prefeito quando foram realizados os ataques.A unidade que se viu nos EUA após os atentados terroristas deu lugar a um debate político a respeito da forma como se luta contra o terrorismo e sobre se o país é mais seguro hoje e se deveria ter atacado o Iraque.Uma pesquisa da rede de televisão "ABC" divulgada neste domingo destaca que 55% dos entrevistados acreditam que o país está mais protegido agora, enquanto 37% pensam o contrário.Além disso, a sondagem revela que 38% dos que responderam às perguntas acham que o governo dos EUA faz tudo o que pode para prevenir um ataque, enquanto 60% discordam disso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.