Bush minimiza tensões entre Afeganistão e Paquistão

O presidente norte-americano, George W. Bush, minimizou nesta terça-feira as tensas relações entre o Paquistão e o Afeganistão, dizendo que ambos os países permanecem comprometidos em caçar Osama bin Laden.Um dia antes de uma reunião conjunta entre ele, o presidente afegão, Hamid Karzai, e o presidente paquistanês, general Pervez Musharraf, Bush enfatizou os esforços para combater uma crescente insurgência liderada pelo Taleban no Afeganistão e para capturar o líder fugitivo da Al-Qaeda. "É do interesse do presidente Karzai ver Bin Laden levado à Justiça. É do interesse do presidente Musharraf ver Bin Laden levado à Justiça. Nossos interesses coincidem", disse Bush a repórteres em uma coletiva de imprensa junto com Karzai. Briga de vizinhosHá muito Karzai e Musharraf brigam sobre como lidar com líderes do Taleban e da Al-Qaeda supostamente escondidos na longa, remota e montanhosa fronteira que divide os dois países. Os três líderes planejam participar de um iftar, jantar típico muçulmano, na quarta-feira. Bush disse que durante o encontro seria "interessante, para mim, observar a linguagem corporal destes dois líderes para determinar o quão tensas estão as coisas."O presidente americano acrescentou também que "a partir de minhas conversas com o presidente Karzai e o presidente Musharraf, há um entendimento que, ao trabalharmos juntos, é mais provável que todos possamos alcançar objetivos comuns."Karzai disse ter "certeza de que sairá dessa reunião com muito mais para falar para nossas nações de uma maneira muito positiva por um futuro melhor."Mais problemas no AfeganistãoDurante a coletiva de imprensa, os dois presidentes disseram ter conversado sobre uma variedade de questões que diziam respeito a ambos os países - incluindo o aumento da violência Taleban e do comércio de narcóticos.O líder afegão agradeceu Bush e "o povo americano por tudo o que vocês têm feito pelo Afeganistão nos últimos quatro anos e meio". Ele também instou o Paquistão a fechar escolas extremistas e a procurar apoio de Bush em uma campanha contra "lugares que ensinam terror". Musharraf havia dito na semana passada que as escolas extremistas respondiam por apenas 5% das escolas no Paquistão e que estava fazendo "lentamente" algo a respeito. Insurgência O Afeganistão tem sofrido seus mais pesados ataques insurgentes desde que o regime Taleban foi derrubado no fim de 2001, em uma rápida guerra liderada pelos EUA.Um homem-bomba suicidou-se nesta terça-feira (26) em frente ao gabinete do governador província de Helmand, no sul do Afeganistão, provocou a morte de 18 pessoas e feriu mais 17, informou a polícia local.Segundo o diretor do Hospital Geral de Lashkar Gah, Rahmatullah Mohamedi, nove civis e nove soldados, além do militante suicida, perderam a vida no ataque. O governador, Mohammed Daoud Safi, estava no gabinete no momento do atentado, mas escapou ileso, disse Gulan Muhiddin, porta-voz do governo de Helmand.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.