Bush nega apoio a pedido de cessar-fogo do Líbano

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, negou-se hoje a apoiar o pedido do governo do Líbano sobre um cessar-fogo e repetiu que Israel tem direito de se defender, mas afirmou que o Estado judeu precisa mostrar "moderação" em suas ações.Após uma reunião bilateral com o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, antes do começo da primeira sessão de trabalho do Grupo dos 8 (G8) na cidade russa de São Petersburgo, Bush afirmou que existe um "crescente consenso" entre os países do organismo sobre qual é "a raiz do problema".O presidente americano voltou a atribuiu toda a responsabilidade da atual crise ao grupo xiita libanês Hezbollah, que há quatro dias matou oito soldados israelenses e seqüestrou dois. Israel respondeu com bombardeios em território libanês que deixaram 25 mortos só no sábado.Em rápidas declarações à imprensa, Bush afirmou: "Nossa mensagem a Israel é de que tem o direito de se defender, mas deve saber das conseqüências" de seus atos.Segundo o primeiro-ministro do Reino Unido, "a única maneira" de fazer com que a situação se acalme e chegar a um cessar-fogo "é enfrentar as razões pelas quais ela surgiu"."A razão básica é que há extremistas que querem interromper o processo que poderia levar a uma solução de dois Estados, um Israel seguro e um Estado palestino independente", afirmou Blair.Segundo o primeiro-ministro do Reino Unido, "há extremistas, apoiados pelo Irã e a Síria, que querem alterar a situação no Líbano e criar uma situação de tensão e hostilidades".Os dois líderes garantiram que o G8 trabalhará hoje para obter uma posição "unificada e comum" acerca da situação no Oriente Médio.A situação no Oriente Médio dominará hoje os trabalhos dos líderes do G8, que tentam chegar a uma declaração de consenso.Até o momento, Bush negou-se a pressionar Israel para que o Estado judeu detenha seus bombardeios, com o argumento de que o país tem "o direito de defender".O G8 é formado por EUA, Canadá, Rússia, Japão, Itália, França, Alemanha e Reino Unido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.