Bush, o presidente da guerra. É ele que diz para a TV

O presidente George W. Bush defendeu mais uma vez sua decisão de invadir o Iraque e disse que, ainda que não tenham sido encontradas armas químicas ou biológicas, Saddam Hussein tinha capacidade para produzi-las e, com o tempo, poderia ter fabricado armas nucleares. E afirmou:"Sou um presidente da guerra. Tomo decisões na Sala Oval para os assuntos de política externa com a guerra em minha mente. Gostaria que não fosse verdade, mas é. E o povo americano precisa saber que tem um presidente que vê o mundo como ele é. E vê os perigos que existem e é importante para nós lidar com eles", afirmou.O presidente, entretanto, negou ter levado os Estados Unidos à guerra sob argumentos falsos, mas admitiu que parte da informação da inteligência sobre o conflito bélico foi errônea. Ele não respondeu diretamente as acusações de que seu governo exagerou nas informações da inteligência para fortalecer seus fundamentos e derrotar o presidente iraquiano.?Vamos descobrir o que aconteceu com as armas de destruição maciça que todos esperavam estar lá?, disse Bush na entrevista gravada Sábado à noite no salão presidencial, concedida à rede de televisão NBC, transmitida hoje.Bush, que depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 prometeu pegar Osama Bin Laden ?vivo ou morto?, disse hoje: ?Não tenho idéia sobre se conseguiremos capturá-lo ou levá-lo à justiça.?Embora tendo reconhecido que a decisão de invadir o Iraque baseou-se em informações do serviço secreto, algumas erradas, o presidente deixou claro que o trabalho do diretor da CIA, George Tenet, não está em perigo.?Creio completamento que a CIA é habilmente dirigida por George Tenet?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.