Bush pede à ONU que aprove resolução "forte" contra Pyongyang

O presidente dos Estados Unidos,George W. Bush, pediu neste sábado ao Conselho de Segurança da ONU queaprove uma resolução "forte" contra a Coréia do Norte, na qual fiqueclaro que não se tolerará mais a atitude desafiadora do paísasiático. Com a resolução que se discute neste sábado nas Nações Unidas,"enviaremos uma mensagem clara ao regime norte-coreano no sentido deque suas ações não serão toleradas", disse Bush em seu habitualdiscurso radiofônico dos sábados. A resolução, que exigirá da Coréia do Norte o desmantelamento deseu programa nuclear, "deveria" estabelecer medidas para impedir queas autoridades norte-coreanas possam importar ou exportar tecnologianuclear e proibir transações financeiras que possam ajudá-las adesenvolver sua capacidade atômica, acrescentou. Segundo Bush, o regime comunista norte-coreano deverá enfrentar"conseqüências reais" pelo teste nuclear subterrâneo que disse terrealizado na segunda-feira passada. Com o teste, prosseguiu, a Coréia do Norte "voltou a descumprirsua palavra, provocou uma crise internacional e privou seus cidadãosde uma oportunidade para ter uma vida melhor". Em resposta às provocações de Pyongyang, os "EUA trabalham comseus aliados na região e no Conselho de Segurança da ONU paragarantir que haja repercussões sérias para o regime norte-coreano",Insistiu. Bush reiterou o compromisso de seu governo com a busca de umasolução diplomática para a crise e assegurou a seus aliados na Ásia- Japão e Coréia do Sul - que os EUA continuam "comprometidos comsua segurança" e que aumentarão a cooperação em defesa com essesEstados para protegê-las de uma eventual agressão norte-coreana. Bush disse que seus objetivos são muito claros: "Manter a paz e asegurança no nordeste da Ásia e uma península coreana sem armasNucleares". "Faremos o que for necessário para consegui-los", acrescentou oPresidente. Bush fez tais declarações no mesmo dia em que o Conselho deSegurança da ONU decide se aprova ou não uma resolução contraPyongyang. Na última versão do documento, exige-se que a Coréia do Norteelimine seus programas atômicos e de mísseis balísticos sob controleinternacional, e acate o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). A proposta inclui também uma série de sanções, como a proibiçãoaos Estados de fornecer direta ou indiretamente materialarmamentista e nuclear, e se impõe um embargo comercial aos artigosde luxo. Além disso, a proposta de resolução pede aos Estados-membros quebloqueiem os ativos e recursos econômicos destinados a financiar osprogramas nucleares, e se exige um controle e inspeção estritos detodas as mercadorias que entrem e saiam do país. O projeto de resolução pede ao governo norte-coreano que retomeimediata e incondicionalmente as conversas de seis lados (China, asduas Coréias, Japão, EUA e Rússia) sobre seu plano nuclear,paralisadas desde novembro passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.