Bush pede ajuda ao mundo para deter "terroristas assassinos"

Estados Unidos, França e Alemanha condenaram neste domingo os atentados palestinos em Israel, que deixaram 13 mortos e pelo menos 70 feridos. O presidente norte-americano, George W. Bush, manifestou indignação e exortou "todos os países do mundo a que façam tudo para deter os terroristas assassinos". Aparentando apreensão, Bush disse que "alguns assassinos" querem frear o processo de paz por ele lançado e precisam ser impedidos. "Pela humanidade, pelos palestinos que sofrem, pelos israelenses que são atacados, temos de pôr um fim ao terrorismo", insistiu, Em Paris, o porta-voz da chancelaria francesa, Bernard Valero, destacou que a França condena com veemeência os novos atentados ocorridos em Israel que mais uma vez golpeiam a população civil. "Para deter essa engrenagem mortal, as partes envolvidas não têm alternativa senão retomar o caminho do diálogo", disse Valero. Como Bush, ele afirmou que a comunidade internacional precisa adotar uma ação urgente. Em Berlim, o governo do chanceler Gerhard Schroeder também expressou preocupação com a escalada da violência no Oriente Médio. O ministro das Relações Exteriores alemão, Joschka Fischer, disse que atentados como os de hoje têm por finalidade fazer fracassar, com a força da violência e do terror, a introdução de uma solução pacífica na região. "Esse plano não deve ter êxito", ressaltou, pedindo a união da comunidade internacional para forçar israelenses e palestinos a partir sem demora para a negociação.

Agencia Estado,

04 Agosto 2002 | 21h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.