Bush pede ao Paquistão colaboração na luta contra o terrorismo

O presidente norte-americano George W. Bush iniciou neste sábado sua primeira visita ao Paquistão reunindo-se com o presidente Pervez Musharraf para falar sobre a luta contra o terrorismo, tema em que o país asiático desempenha papel fundamental para Washington. O presidente americano afirmou que entre as medidas necessárias para uma melhor cooperação na luta contra o terrorismo está o "compartilhamento de dados de inteligência para localizar" os suspeitos, assim como "a disposição em levá-los à Justiça". O importante, ressaltou, é que "os dados sejam bons, e estamos trabalhando para isso". O Paquistão, completou, também precisa ter os equipamentos necessários para capturar os terroristas. Um dispositivo de segurança sem precedente transformou Islamabad, a capital paquistanesa, praticamente numa cidade fantasma, nesta terceira etapa da viagem de Bush à Ásia, depois do Afeganistão e da Índia. A chegada de Bush a Islamabad, na noite de sexta-feira, foi precedida por uma série de manifestações antiamericanas nas principais cidades do país e por uma greve geral convocada por partidos islâmicos. Os islâmicos prevêem um "dia negro" para este sábado, marcado por protestos contra a presença do presidente norte-americano, com várias manifestações. Preso líder oposicionista O dirigente paquistanês Imran Khan, do bloco de oposição ao governo de Pervez Musharraf, foi colocado em regime de prisão domiciliar antes do protesto de seu partido contra a visita do presidente Bush. Khan dirige um pequeno partido, o Tehreek-e-Insaf (Movimento pela Justiça). Segundo anunciou hoje a legenda de Khan, o político foi posto sob regime de prisão domiciliar para evitar que participasse de protesto organizado contra a visita de George W. Bush.

Agencia Estado,

04 Março 2006 | 03h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.