Bush pede para nações asiáticas enfrentarem o terrorismo

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, pediu para que as nações asiáticas enfrentem o terrorismo. "Não há isolamento do mal", disse Bush durante a abertura da cúpula de Cooperação Econômica para a Ásia e Pacífico. "Nossos inimigos são assassinos com alcance global", disse o presidente americano em seu principal discurso da viagem de quatro dias à Ásia. "Eles procuram armas que matem em uma escala global. Toda nação deve se opor a este inimigo ou então será o próximo alvo". Bush fez o discurso horas depois de comandos americanos terem realizado a primeira missão em terra no sul do Afeganistão. Dois soldados americanos também morreram em um acidente com um helicóptero no Paquistão. "Os soldados morreram em uma causa que é justa e certa e nós vamos prevalecer." O presidente dos EUA afirmou que a luta contra o terrorismo é "a tarefa mais urgente de nosso tempo" e avisou que os terroristas querem minar os ganhos econômicos da Ásia. "Os terroristas tentaram abalar a confiança no sistema econômico mundial, mas eles falharam. Os terroristas esperavam que os mercados iriam entrar em colapso, mas os mercados provaram" que são sólidos. "Nós vemos um futuro de grande comércio e crescimento e dignidade humana é possível (neste cenário) - e nós vamos construir isso". Ao fim do encontro, os líderes da cúpula de Cooperação Econômica para a Ásia e o Pacífico devem emitir uma declaração sobre a campanha militar dos EUA. A Indonésia e a Malásia, países de maioria muçulmana, não devem endossar os ataques que mataram civis muçulmanos no Afeganistão. Hoje, Bush deve encontrar-se com o sultão Hassanal Bolkiah, do Brunei, com o primeiro-ministro de Cingapura, Goh Chok Tong e com o presidente do Peru, Alejandro Toledo. No domingo, ele deve se reunir com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, para discutir como poderá ser o governo do Afeganistão caso o Taleban seja derrotado. A cúpula de Cooperação Econômica para a Ásia e Pacífico é formada pelo Brunei, Canadá, Cingapura, Chile, China, Coréia do Sul, Estados Unidos, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Peru, Rússia, Taiwan, Tailândia e Vietnã. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.