Bush pedirá mais US$ 75 bi para Iraque e Afeganistão

Se reeleito, o presidente dos EUA, George W. Bush, planeja pedir em janeiro ou fevereiro ao Congresso cerca de US$ 75 bilhões em caráter emergencial para operações militares no Iraque e Afeganistão e operações contra o terrorismo, informaram assessores parlamentares. Essa quantia, muito maior do que o acréscimo previsto anteriormente pela administração Bush, elevaria para US$ 290 bilhões os gastos com as operações militares e os esforços de reconstrução no Iraque e Afeganistão desde 2001. A quantia seria quase metade do custa da Guerra do Vietnã - US$ 623 bilhões em valores atualizados. O porta-voz do escritório de orçamento da Casa Branca, Chad Kolton, declarou que uma decisão final sobre verbas suplementares não será tomada antes de fevereiro, quando Bush, se reeleito, apresentará o projeto orçamentário para o ano fiscal de 2005. Meses atrás, a Casa Branca previa pedir US$ 50 bilhões, mas os assessores disseram que as estimativas foram aumentadas e o valor pode até superar os US$ 75 bilhões se os grupos rebeldes intensificarem seus ataques no Iraque e os EUA forem forçados a enviar mais tropas. Segundo os últimos números, o Pentágono está gastando em média US$ 4,4 bilhões mensais no Iraque e US$ 769 milhões no Afeganistão. De acordo o diário USA Today, o aumento do contingente já está em análise. O jornal informou - citando fontes que pediram anonimato - que o Pentágono pretende mandar mais 20 mil soldados para o Iraque para garantir a segurança das eleições de janeiro.

Agencia Estado,

26 Outubro 2004 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.