Bush perde principal assessora

Karen Hughes - uma ex-jornalista de 45 anos que se tornou uma das mais influentes e poderosas figuras da atual administração depois de ajudar a orquestrar a campanha de George W. Bush à Casa Branca - anunciou que deixará seu cargo de conselheira de comunicação do presidente para voltar ao Texas.Ela disse que está com saudade da terra natal e quer que seu filho único, Robert, que está para iniciar o curso colegial, cresça com raízes texanas. Numa cidade onde a política é a única indústria, e o poder é medido pela proximidade ao presidente, são rarísimas as pessoas que abandonam voluntariamente cargos como o de Hughes.Razões de ordem familitar são a desculpa mais usada por altos funcionários que deixaram abruptamente o governo - geralmente às vésperas de se tornarem personagens de alguma controvérsia.Mas, segundo seus amigos no Texas e vários de seus colegas na Casa Branca, o extraordinário da explicação oferecida por Hughes para deixar um dos dois postos mais influentes da administração - o outro é ocupado pelo conselheiro de política doméstica, Carl Rove - é que se trata da pura verdade."Meu marido e eu tomamos uma decisão difícil mas, acreditamos, certa, de levar nossa família de volta para o Texas", disse ela. Numa prova da eficiência de Hughes como principal executora da política de comunicação da Casa Branca, que reduziu praticamente a zero os vazamentos de informação à imprensa, a notícia só foi conhecida quando ela a anunciou aos repórteres.A influência de Karen Hughes junto à Bush pode ser medida por um episódio contado por assessores do presidente. Quando ele começou a pensar em disputar a Casa Branca, em 1999, o então governador do Texas perguntou a Hughes, que já trabalhava em sua equipe, se ela participaria da campanha. "Se você não for, eu não vou", disse Bush.Hughes e Rove são os dois únicos assessores que acompanham Bush desde 1994, quando ele se elegeu pela primeira vez governador do Texas. Mas Hughes é a mais íntima. Um colega disse que ela sabe o que o presidente pensa e é capaz de antecipar o que ele vai dizer. "Tê-la na sala é o mesmo que ter o presidente", disse ele. "Agora, será mais difícil para ele estar em dois lugares ao mesmo tempo".Sobre a decisão de sua assessora, o presidente disse: "Ela pode estar mudando de endereço, mas ela não está deixando meu círculo próximo". Stuart Stevens, que trabalhou na equipe de comunicação da campanha de Bush, disse que "o maior efeito" da saída de Hughes "será no presidente". Segundo ele, "a coisa mais fácil é substituir o papel que Karen desempenha, no sentido administrativo, mas sua relação com o presidente é única".Mark McKinnon, que também trabalhou na campanha de Bush, disse que "há três coisas importantes para Karen: sua família, sua fé e o presidente". Com Hughes trabalhando até 15 horas por dia, seu marido e filho não estavam contentes com a vida em Washington."Se uma das parte está infeliz, isso afeta toda a sua órbita. Ela reconheceu que sua família estava infeliz e que apenas ela poderia acertar a situação", diz McKinnon. Hughes disse que comunicou sua decisão a Bush na semana passada. "Sr. Presidente, I love you, mas minha família e eu realmente queremos voltar para o Texas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.