Bush pressiona para ter avião de volta; China faz mistério

Funcionários da embaixada dos EUA devem ter hoje o primeiro contato com 24 membros da tripulação do avião de espionagem da Marinha americana, que fez um pouso de emergência na ilha chinesa de Hainan no domingo, depois de uma colisão no ar, sobre águas internacionais, com um caça de interceptação chinês. O avião chinês caiu no mar. Os tripulantes americanos foram detidos por soldados chineses e recolhidos a um lugar desconhecido. A informação sobre a visita dos diplomatas americanos aos tripulantes foi divulgada pelo Departamento de Estado pouco depois de o presidente George W. Bush ter feito seu primeiro pronunciamento sobre o incidente para pedir a Pequim "acesso imediato à tripulação" e seu retorno e a devolução do avião.Diante da primeira crise internacional potencialmente séria, o líder americano afirmou que "a falta de uma pronta reação chinesa ao nosso pedido é inconsistente com a prática diplomática padrão e com o desejo expresso dos dois países de ter melhores relações".Uma variação do Orion P-3, da Lockheed, o EP-3 é um turboélice de quatro motores que carrega a última geração de tecnologia de espionagem eletrônica do arsenal americano. Num gesto aparentemente calculado para manter a temperatura da crise sob controle, o presidente americano disse que os EUA haviam oferecido à China ajuda na busca de seu caça desaparecido.Mais informaçõesLeia Também:Pentágono quer impedir vistoria chinesa

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.