Bush promete dedicar-se à paz no Oriente Médio

Em seu primeiro engajamento pessoal nas conversações de paz no Oriente Médio, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, prometeu "empregar o tempo que for necessário" para obter um acordo definitivo entre israelenses e palestinos. Às vésperas de dois dias de reuniões com líderes do Oriente Médio, Bush disse saber que não será fácil acabar com anos de hostilidades. A jornalistas, porém, ele declarou: "Penso que conseguiremos algum progresso. Sei que estamos progredindo."Depois de passar o primeiro ano e meio de seu mandato sem dar atenção à escalada de violência entre israelenses e palestinos, Bush transformou-se no primeiro presidente americano a endossar abertamente a existência de um Estado palestino soberano e independente. Ressalvou, no entanto, que só apoiaria um Estado palestino se um sistema mais democrático fosse implementado e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, fosse afastado do processo.Bush encerrou mais cedo sua participação na reunião de cúpula do G-8 em Evian, na França, para seguir rumo ao balneário egípcio de Sharm el-Sheik, onde pretende pressionar os líderes árabes para que manifestem abertamente apoio ao primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas, disseram funcionário do governo americano.O convite feito a Abbas, e não a Arafat, pelo presidente do Egito, Hosni Mubarak, para participar da cúpula dos líderes árabes com Bush foi visto pela Casa Branca como um sinal de apoio ao primeiro-ministro palestino por parte do governo egípcio, comentaram fontes. Os outros participantes do encontro são chefes de Estado, função normalmente exercidas por Arafat em reuniões desse tipo.Na quarta-feira, Bush pretende participar de uma reunião com Abbas e o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, em Ácaba, na Jordânia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.