Bush quer abolir Lei da Morte com Dignidade

O governo George W. Bush pediu ao Supremo Tribunal que bloqueie uma lei do Estado de Oregon, única no país, que permite aos médicos ajudar enfermos terminais a morrerem mais rapidamente. A apelação era esperada desde maio, quando um tribunal afirmou que o governo federal não podia punir médicos de Oregon que receitassem doses letais de medicamentos legais. Os eleitores de Oregon aprovaram a legislação, conhecida como Lei da Morte com Dignidade, em 1998. Desde então, mais de 170 pessoas, a maioria vítimas de câncer, se valeram da lei para por fim às suas vidas.O governo argumenta que a morte assistida, ou eutanásia, não tem um propósito médico legítimo, e que os médicos prestam juramento para curar pacientes, não para ajudá-los a morrer. Ainda que em menor intensidade que o aborto, o tema é importante para os cristãos conservadores que ajudaram o presidente Bush a ser reeleito. O governo esperou até ontem, último dias apresentar sua apelação na Suprema Corte.A Lei da Morte com Dignidade permite aos pacientes com menos de seis meses de expectativa de vida solicitar doses letais de medicamentos, assim que os médicos diagnosticarem a falência de suas atividades mentais. Na apelação, o advogado Paul Clement alega que a lei está em conflito com os poderes do governo federal. A Suprema Corte deve decidir se aceita ou não a apelação no ano que vem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.