Bush quer incluir Japão no CS

Líder não menciona outros candidatos, como o Brasil

Reuters, Nova York, O Estadao de S.Paulo

26 de setembro de 2007 | 00h00

O presidente americano, George W. Bush, disse ontem que está disposto a considerar a ampliação do Conselho de Segurança da ONU e pressionou pela inclusão do Japão, um grande aliado dos EUA, como membro permanente."Os EUA estão abertos a essa perspectiva", disse Bush, durante seu discurso na 62ª Assembléia-Geral da ONU. "Nós acreditamos que o Japão está bem qualificado para tornar-se um membro permanente do Conselho de Segurança e as outras nações deveriam considerar da mesma forma", declarou.O Conselho de Segurança, de 15 membros, é o mais poderoso órgão da ONU, que pode adotar decisões de cumprimento obrigatório sobre guerra e paz. Ele tem cinco membros permanentes com poder de veto. Os membros permanentes são Grã-Bretanha, China, França, Rússia e EUA - todos países que saíram vencedores na 2ª Guerra. Além do Japão, também reivindicam um assento permanente países como Brasil, Alemanha e Índia.As outras dez cadeiras do Conselho são rotativas. Seus ocupantes são eleitos para mandatos de dois anos de acordo com as regiões.A maioria dos membros da ONU acredita que o Conselho de Segurança não é representativo e é dominado por nações industrializadas. Há anos os EUA vêm apoiando o Japão para uma vaga, após uma ampliação limitada do conselho. A China, no entanto, resiste à idéia da presença dos japoneses com membros permanentes."Os EUA ouvirão todas as boas idéias e apoiarão as mudanças no Conselho de Segurança como parte de uma ampla reforma nas Nações Unidas", disse Bush em seu discurso. Em abril, a ONU propôs uma série de opções para a reforma, que poderia incluir novas cadeiras temporárias e a criação de vagas de mandato mais longos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.