Bush recebe novo plano de ataque ao Iraque

O comandante das forças americanas no Golfo Pérsico, general Tommy Franks, apresentou ao presidente dos EUA, George W. Bush, um novo plano para invadir o Iraque com um contingente significativamente menor do que ele foi sugerido anteriormente. A informação foi publicada na edição desta terça-feira do diário The Wall Street Journal, com base em fontes do governo. O jornal destaca que a nova proposta, prevendo a mobilização de 50 a 80 mil homens, respaldados pela Força Aérea, vem sendo recebida com crescente interesse pela administração Bush. No plano anterior, Franks estimara um contingente de 250 mil homens. O WSJ informa ainda que está sendo avaliada a opção de um ataque direto aos centros de poder em Bagdá, no qual seriam combinadas operações terrestres e aéreas. "Não falamos sobre o tema tratado por Franks com o presidente", afirmou o porta-voz do Pentágono, coronel Dave Lapan, ao comentar a notícia. Segundo o diário britânico The Times, o Congresso americano já advertiu Bush de que um ataque ao Iraque poderia escalar rapidamente e levar a um conflito nuclear. Um levantamento sobre o arsenal iraquiano mostra ser pouco provável que os EUA consigam destruir muitos, ou talvez algum, dos lançadores de mísseis do país e prevê a possibilidade de Bagdá atacar uma cidade israelense com um míssil contendo arma biológica. Em entrevista à TV russa RTR, a conselheira de Segurança Nacional dos EUA, Condoleezza Rice, disse não ser possível "manter o status quo" e que é "imprescindível uma mudança de regime" no Iraque. Ela frisou que Bush ainda não tomou uma decisão sobre como o país vai atuar. O chefe dos inspetores da ONU, Hans Blix, disse ter visto poucas novidades na carta enviada a ele pelo Iraque, convidando-o para "conversações técnicas" sobre a retomada das inspeções de armas no país. "É uma linguagem diplomática, cheia de truques", afirmou Blix. O secretário-geral da ONU, Koffi Annan, vai mandar uma resposta a Bagdá, pedindo esclarecimentos sobre o convite.

Agencia Estado,

06 Agosto 2002 | 20h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.