Bush reduz importância de capturar ou matar Bin Laden

O presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou não saber se Osama bin Laden está vivo ou morto e disse que não se pode julgar o sucesso de uma guerra com base no que aconteceu com o terrorista saudita. "Aqueles que estão preocupados com um indivíduo não entendem essa luta. Nós combatemos o terrorismo onde quer que ele exista, e aqueles que dizem que uma pessoa importa elevam aquela pessoa a um status que ela não merece", disse Bush, quatro meses depois de os EUA iniciarem os ataques aéreos contra o Afeganistão, onde o suposto mandante das ações terroristas de 11 de setembro estava escondido. Na próxima segunda-feira completam-se seis meses dos ataques terroristas.Críticos do governo Bush nos EUA têm questionado a condução da "guerra contra o mal", porque Bin Laden e o ex-líder máximo do Taleban, o mulá Mohamed Omar, ainda não foram encontrados. Bush fez essas declarações durante um evento para arrecadação de fundos de campanha para o Partido Republicano na Flórida, onde seu irmão, Jeb Bush, vai tentar a reeleição para governador neste ano.Muitos políticos norte-americanos estão apressando as campanhas de arrecadação de fundos porque está para entrar em vigor uma nova lei de financiamento de campanhas políticas, mais restritiva. O Congresso decidiu reformar a lei de financiamento de campanhas depois do escândalo que cercou a falência da empresa de energia Enron, uma das principais financiadoras da campanha de Bush para a presidência. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.