Bush: refúgio da al Qaeda no Paquistão é preocupante

O presidente George W. Bush disse nosábado estar preocupado com o relatório do serviço deinteligência norte-americano, segundo o qual a al Qaeda estáentrincheirada em um local seguro em uma região tribal doPaquistão, próximo ao Afeganistão. Mas Bush ofereceu apoio ao presidente paquistanês, dizendoacreditar que Pervez Musharraf está comprometido com o combateà al Qaeda e aos militantes do Taliban. Parte do relatório divulgada nesta semana revelou"persistente e crescente" ameaça aos Estados Unidos por partede grupos militantes islâmicos, especialmente a alQaeda deOsama bin Laden. Bush, em seu pronunciamento semanal no rádio, disse que aconclusão do relatório de que a al Qaeda estava ganhando forçaem uma região tribal no Paquistão era "uma das maispreocupantes." Os Estados Unidos, após o ataque de 11 de setembro de 2001,liderou uma invasão ao Afeganistão ainda naquele ano paraderrubar o Taliban, movimento religioso no poder, e para deterbin Laden e seus seguidores. Musharraf, um general do exército, tem sido um importantealiado de Washington, mas compete com uma campanha violenta demilitantes islâmicos e fronteiras abertas que dificultam ocontrole do trânsito de militantes, armas, ópio e outrasdrogas. A Casa Branca reconhece que a trégua estabelecida porMusharraf em setembro com os líderes tribais não funcionou. "O presidente Musharraf reconhece que o acordo não obtevesucesso ou foi bem implementado e está tomando medidas para suacorreção," disse Bush. "Nós vamos trabalhar com nossos parceiros para negar abrigopara o Taliban e a al Qaeda no Paquistão, ou em qualquer lugardo mundo." O Senador democrata John Kerry, que perdeu a eleiçãopresidencial para Bush em 2004, disse que as agências deinteligência têm avisado que a guerra do Iraque estariadesviando a atenção da al Qaeda no Paquistão e Afeganistão."Nossas tropas e nosso país precisam de uma nova política dessepresidente, não a mesma velha retórica," disse Kerry. A região norte do Paquistão próximo ao Afeganistão éconsiderada um refúgio da al Qaeda e do Taliban, comautoridades norte-americanas dizendo que bin Ladem e outroslíderes estão escondidos nessa área. Washington tem pressionado o Paquistão para intensificar asoperações contra a al Qaeda nas fronteiras e não eliminou apossibilidade de ataques. O ministro das Relações Exteriores do Paquistão disse quesomente as tropas nacionais podem conduzir operaçõesantiterrorismo em solo paquistanês. "Com o passar do tempo, pode ser tentador pensar que aameaça de um outro ataque em nosso país já passou", Bush disse,adicionando que o relatório desta semana "deixa claro que aameaça não passou."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.