Bush rejeita ´especulações´ sobre guerra civil no Iraque

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, rejeitou nesta terça-feira as "especulações" de que o Iraque se encontra em guerra civil e atribuiu a atual onda de violência às tentativas da Al Qaeda de desestabilizar a democracia iraquiana. Bush disse ainda que os EUA não irão negociar com o Irã enquanto o país não suspender o enriquecimento de urânio. "Há todo o tipo de especulações" por parte de alguns meios de comunicação, mas o que realmente está acontecendo é que os seguidores da rede terrorista Al Qaeda tentam perturbar o desenvolvimento da democracia iraquiana, disse Bush. Em entrevista coletiva em Tallinn, onde conclui nesta terça-feira sua primeira visita oficial à Estônia, o presidente disse que a escalada de violência no Iraque começou em fevereiro passado. "Há muita violência sectária" que, segundo Bush, foi fomentada porque os ataques da Al Qaeda levam à busca por "represálias". Bush comparou a situação no território iraquiano com a do Líbano e dos territórios palestinos, lugares nos quais assegurou que os EUA manterão seu compromisso de contribuir para o assentamento da democracia. No caso do Líbano, explicou Bush, "forças extremistas encorajadas pela Síria e pelo Irã" tentam debilitar o governo do país. Em relação ao Iraque, Bush reconheceu que "não há dúvida" de que há muita violência, mas insistiu em que não se trata de uma nova etapa, mas que isso ocorre há algum tempo. Encontro com Maliki O presidente abordará o assunto com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, na quarta e na quinta-feira, na Jordânia. Bush disse que perguntará a Maliki o que é preciso fazer para ter êxito e para conseguir o objetivo de instaurar uma democracia forte com um governo que possa governar e se manter. Os líderes americano e iraquiano também tratarão da possibilidade de envolver alguns países vizinhos na busca de alternativas para devolver a estabilidade ao Iraque e a todo o Oriente Médio. Ao ser perguntado sobre a possibilidade de os EUA entrarem em contato com Síria e Irã para abordar esse envolvimento, Bush ressaltou que o "Iraque é uma nação soberana, com sua própria política externa", e já está em contato com os países vizinhos. No caso do Irã, o presidente americano ressaltou que as autoridades de Teerã sabem perfeitamente o que têm que fazer para poder dialogar com Washington: "Suspender de forma verificável seu programa de enriquecimento de urânio". "O Irã sabe como chegar à mesa (de negociações) conosco. E isso é para fazer o que eles disseram que iriam fazer, que é suspender seus programas de enriquecimento de forma verificável."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.