Bush se opõe a novo sistema de controle de armas

O presidente dos Estados Unidos,George W. Bush, se opõe à adoção de um novo sistema deidentificação de armas de fogo - apesar das mortes provocadas por um franco-atirador na região de Washington. O presidente afirma não estar seguro da precisão da tecnologia que seriaaplicada para este fim, afirmou nesta terça-feira o porta-voz da CasaBranca, Ari Fleischer. Segundo o porta-voz, os novos controles de armas propostosnão serão mais efetivos que os atuais. "Quantas leis precisamosrealmente para pôr fim aos delitos, se quando uma pessoa estádecidida, simplesmente as transgride, sem importar o número (denormas) nem o que dizem?", questionou Fleischer. Um franco-atirador atacou a zona de Washington 11 vezes nosúltimos 13 dias, matando nove pessoas e ferindo gravementeoutras duas. Os ataques com fuzil de alta potência reativaram ointeresse em um sistema nacional de "impressões digitais" paraarmas, que exigiria que os fabricantes de armamentos enviassem aum banco de dados as marcas exatas que cada arma deixa nocartucho de uma bala. Dessa forma, a polícia poderia utilizar as marcas paradeterminar a arma que disparou qualquer cartucho encontrado nolocal de um crime. Nova York e Maryland são os únicos Estados dos EUA a exigirematualmente tais dados balísticos de todas as pistolas fabricadase vendidas em seus territórios. O senador democrata Herb Kohl e o representante do mesmopartido Robert Andrews figuram entre os congressistas que tentamaprovar uma legislação para criar um sistema nacional de"impressão digital" de armas. A Associação Nacional de Portadores de Armas e outrosdefensores do direito ao porte de armas se opõem a este sistema,pois temem que ele represente um passo para a criação de umbanco nacional de proprietários de armas. Bush também resiste ao novo sistema por duvidar de suaprecisão. "Há algumas questões sobre a precisão das ´impressõesdigitais´ balísticas que devem ser exploradas e revisadas antesque se possa tomar uma decisão definitiva", afirmou Fleischer àimprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.