Bush vai seguir proposta de general e retirar 30 mil soldados em 2008

Amanhã será feito o anúncio do corte, que já era considerado inevitável; no Senado, Petraeus é duramente criticado

Patrícia Campos Mello, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2012 | 00h00

O presidente dos EUA, George W. Bush, seguirá as recomendações do general David Petraeus e retirará 30 mil soldados americanos do Iraque até julho de 2008, informou ontem a Associated Press, citando funcionários do governo. Bush deve anunciar a retirada parcial num discurso amanhã à noite. Mas a planejada redução do contingente não acalmou os ânimos dos senadores americanos, que ontem submeteram os dois principais homens de Bush no Iraque, Petraeus e o embaixador Ryan Crocker, a horas de duro interrogatório.Ambos testemunharam diante das Comissões de Relações Exteriores e das Forças Armadas e voltaram a afirmar que retirar mais soldados do Iraque seria prematuro. Eles não conseguiram responder se os EUA estão mais seguros hoje do que em setembro de 2001.A idéia é ter no Iraque 130 mil soldados em agosto de 2008, o mesmo número de antes do reforço militar. E não há prazo de retirada para essas tropas. Analistas indicam que Bush agirá como se tivesse tomado a decisão de retirada após ouvir militares e o público. Na realidade os EUA teriam de retirar os 30 mil soldados de todo jeito. Prolongar o reforço significaria ampliar de 15 para 18 meses o tempo de serviço no Iraque ou recrutar mais efetivos da Guarda Nacional, o que teria alto custo político.O porta-voz da Casa Branca, Tony Snow, afirmou que os depoimentos de Petraeus e Crocker mostram uma estratégia que "aponta para o sucesso", acrescentando: "Se alguma coisa está dando certo, você quer ter mais dela." Em seus depoimentos, Petraeus e Crocker afirmaram que o governo do primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, precisa de mais tempo para tirar proveito da maior segurança do país. Mas eles foram massacrados com perguntas agressivas, algumas de republicanos. "O Iraque ainda não é funcional", admitiu Petraeus, sob pressão."Se a situação for a mesma daqui a um ano, os senhores recomendarão que deixemos 130 mil soldados no Iraque para serem mortos, feridos ou aleijados?", perguntou o senador democrata Joe Biden. Como na segunda-feira, Petraeus foi interrompido por manifestantes antiguerra. Alguns foram retirados da sala. Crocker afirmou que, apesar dos muitos desafios, a situação está melhorando lentamente. Mas, pressionado por Biden, que é candidato à presidência, admitiu que o Iraque só estará estabilizado "bem depois do fim do próximo verão" (meados de 2008). O cenário positivo que Crocker tentou passar foi visto com ceticismo pelos congressistas, que não acreditam numa estabilidade política no médio ou longo prazo. Houve perda de apoio também entre os republicanos. O senador Richard Lugar voltou a questionar a viabilidade de um Estado iraquiano com as três comunidades - sunitas, xiitas e curdos - coabitando. "Os iraquianos querem ser iraquianos?", perguntou. FRASESDavid PetraeusComandante das forças dos EUA no Iraque"O Iraque ainda não é funcional"Joe BidenSenador democrata"Se a situação for a mesma daqui um ano, os senhores vão recomendar que deixemos 130 mil soldados no Iraque para serem mortos, feridos ou aleijados?"Richard LugarSenador republicano"A essa altura, com nosso Exército desgastado por causa da guerra do Iraque, nossos ganhos globais freados por causa do fardo no Iraque, não basta que o governo nos peça paciência até o próximo relatório"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.