Bush volta a ameaçar o Irã

O presidente dos EUA, George W. Bush, voltou sua atenção para o programa nuclear do Irã, o qual, segundo disse, é motivo de preocupação, e afirmou que os EUA assumirão um papel de "líder" contra a proliferação de armas de extermínio. A tese da Casa Branca é a de que o programa nuclear iraniano tem fins militares. Bush fez tais afirmações enquanto em Viena circulavam informações de que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) rejeitou as pressões de Washington para que se declare que o governo de Teerã está violando o tratado de não-proliferação. A AIEA considera que ainda é preciso mais tempo para se chegar a uma conclusão. Em um encontro com a imprensa ao término de uma reunião na Casa Branca com o emir do Catar, Hamad bin-Khalifa al-Thani, Bush lembrou que a AIEA divulgará um informe em junho. "Esperaremos para ver o que dizem", declarou o presidente. "Sempre expressei, em público e em particular, minha preocupação com a possibilidade de que os iranianos desenvolvam um programa nuclear. O mesmo fez o presidente russo, Vladimir Putin", acrescentou. "É preciso trabalharmos juntos para pôr fim à proliferação de armas de destruição em massa. É uma questão importante que o mundo enfrenta e por isso os EUA continuarão desenvolvendo um papel de guia", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.