Cabello sugere que posse de Chávez seja adiada

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Diosdado Cabello, sugeriu nesta quarta-feira que a data de posse do presidente Hugo Chávez, de 58 anos, poderia ser adiada, embora tenha ressaltado que essa é uma ideia dele e não uma posição do governo venezuelano. A posse de Chávez para um quarto mandato de seis anos está marcada para 10 de janeiro de 2013, mas o bolivariano está em Havana, onde passou pela quarta cirurgia contra o câncer e permanece internado.

AE, Agência Estado

19 de dezembro de 2012 | 14h45

"Essa é uma opinião minha, não é algo oficial", disse Cabello, em declaração publicada no diário El Nacional. "Você não pode amarrar a vontade de um povo a uma data, então a vontade de oito milhões de pessoas não vale?" perguntou Cabello, ao fazer referência ao número de votos que Chávez obteve nas eleições de outubro. A Constituição estabelece que, se o presidente não puder tomar posse no dia 10, o cargo deve ser assumido pelo vice-presidente, que precisa convocar novas eleições em 30 dias.

Cabello também é presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), de Chávez. "Nosso cenário é que o presidente se recuperará e tomará posse em 10 de janeiro", disse Cabello. Mesmo assim, os comentário de Cabello tem peso, uma vez que há pelo menos 14 anos ele participa do projeto político de Chávez.

Na noite da terça-feira, o ministro da Informação da Venezuela, Ernesto Villegas, leu em cadeia nacional de rádio e televisão um novo boletim sobre a saúde de Chávez, na qual afirmou que a infecção respiratória que o presidente teve, após a cirurgia, foi controlada. "A equipe médica informou que o presidente Chávez deve ficar em repouso absoluto pelos próximos dias", leu Villegas. Os pais, alguns filhos e o irmão de Chávez, Adán, partiram para Havana na terça-feira.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.