Cabul, antes e depois dos talebans

Cabul, a capital afegã, era há cinco anos, ou antes que a milícia integrista islâmica dos talebans impusesse uma primitiva versão da sharia (a lei muçulmana), uma cidade como outra qualquer, na qual se ia ao cinema, se usava minissaia e se dançava. Depois de ter tomado o poder em Cabul, os talebans lançaram uma série de decretos, cuja implementação ficou a cargo do "ministério da promoção da virtude e da prevenção do vício". A maioria proíbe qualquer forma de diversão e limita a liberdade das mulheres. Um dos primeiros decretos, promulgado imediatamente depois da entrada dos "estudantes de teologia" na capital, em 27 de setembro de 1996, se refere exatamente às mulheres. Elas foram proibidas de desempenhar qualquer tipo de atividade profissional, exceto no setor de saúde. No entanto, mais tarde, as mulheres também foram impedidas de trabalhar em hospitais. As jovens tiveram que renunciar à escola e toda uma geração se viu privada de instrução. As mulheres foram, então, obrigadas a vestir um amplo manto que lhes cobre da cabeça aos pés, incluindo os olhos, respirando através de uma tela delgada. Os homens também foram obrigados a usar um tipo especial de vestimenta, que consiste em um traje tradicional afegão, o Shalwar Kamiz, e um turbante. Além disso, é proibido fazer ou até mesmo aparar a barba. Todos os cinemas, bares, discotecas e outros locais noturnos foram fechados e a televisão, como os jogos de azar e Internet, estão proibidos. O consumo de álcool também foi severamente proibido. Durante as raras manifestações esportivas, os espectadores não podem aplaudir e apenas gritar "Allah u Akbar" ("Deus é grande"). É proibido o uso de cor, mas sobretudo as imagens que representam seres vivos. Como resultado, não há nenhum livro para crianças e tampouco bonecas. Qualquer um que viole as proibições pode ser castigado, e os castigos são variados. As únicas distrações oferecidas aos habitantes de Cabul são as execuções e os castigos corporais, programados depois das preces de sexta-feira no estádio de Cabul.As mulheres acusadas de adultério são apedrejadas, os ladrões têm uma mão ou um pé amputado e os homossexuais e os opositores são enforcados. Já os assassinos são penalizados pelos familiares das vítimas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.