Luis Robayo/AFP
Luis Robayo/AFP

Caça colombiano desaparece em ação contra as Farc

Comandante da Força Aérea colombiana acha improvável que a guerrilha tenha derrubado o avião

estadão.com.br,

12 de julho de 2012 | 11h40

Texto atualizado às 16h35

BOGOTÁ - A Força Aérea da Colômbia comunicou nesta tarde ter encontrado os restos do caça que desapareceu durante uma ação contra as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Além disso, os corpos dos dois tripulantes foram localizados. "A Força Aérea está trabalhando junto com uma comissão do Comitê Internacional da Cruz Vermelha para entregar os corpos", diz o comunicado.

Veja também:

link Quem é quem no conflito armado da Colômbia

link Indígenas colombianos querem Farc e Exército fora de suas terras

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Segundo a Força Aérea, "um dos aviões da instituição, enquanto participava de operações militares... desapareceu" na quarta-feira. O jato sobrevoava a região de Cauca, sudoeste colombiano, quando sumiu dos radares. A aérea é conhecida como um grande corredor de drogas. Nos últimos dias, o governo vêm tentando repelir as Farc da região, causando intensos combates.

O comandante da Força Aérea colombiana, general Tito Pinilla, afirmou nesta quinta-feira, 12, que o caça desaparecido é um Super Tucano A-29, fabricado pela companhia brasileira Embraer. O general considera improvável que a guerrilha tenha derrubado o avião, dizendo que tais afirmações são "pura especulação". Em rezão da velocidade e da altitude do avião no momento, "é altamente improvável que tenha sido atingido pelas Farc", afirmou Pinilla. Ele também informou que os insurgentes não têm acesso a mísseis terra-ar.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, visitou a região de Cauca na quarta-feira. Na cidade de Toribio, Santos ouviu vaias e insultos de tribos indígenas que foram pegas no fogo cruzado. "Nós também estamos cansados da guerra, mas não podemos desmilitarizar um centímetro sequer do território nacional", afirmou o presidente.

Com Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.