Caça francês destrói avião militar líbio que estava pousando em Misrata

Forças aéreas do país europeu cumprem mandado do Conselho de Segurança da ONU

estadão.com.br

24 de março de 2011 | 13h41

Um caça francês destruiu um avião de guerra líbio com um míssil de tipo ar-terra nesta quinta-feira. O avião líbio estava pousando em uma base em Misrata, cidade no leste do país, segundo as forças francesas.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

Um porta-voz do Exército afirmou que uma patrulha de Rafales, que cumpria resolução do Coneslho de Segurança da ONU para garantir a proteção de civis diante da contraofensiva do ditador Muamar Kadafi, avistou o avião líbio violando a zona de exclusão aérea imposta no país ao norte da África e atacou.

 

Os caças da coalizão ocidental que comanda a ofensiva contra Kadafi avançaram líbia adentro besta quinta-feira após tanques das forças do ditador terem reocupado Misrata na madrugada e sitiado o principal hospital da cidade.

 

Mais cedo nesta quinta-feira, a França afirmou que suas forças aéreas tinham atacado uma base central na Líbia pela madrugada, na quinta noite de bombardeios realizada pelas forças do Ocidente contra as forças leais ao coronel Kadafi.

 

Cerca de 15 aviões franceses foram utilizados nesta quarta-feira, e 12 durante a madrugada, para realizar ataques com mísseis em uma base aérea a 250 km da costa mediterrânea.

 

O chanceler francês, Alain Juppé, defendeu a manutenção do ritmo da operação de ataques aéreos feita até o momento pelas coalizão ocidental e liderada pela França. Ele afirmou que cinco dias não eram tempo suficiente para alcançar o objetivo da missão na Líbia, que é proteger a população local dos ataques das tropas de Kadafi. Juppé concluiu que seriam necessários dias ou semanas, mas não meses, para derrotar as forças de Kadafi.

com Reuters

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.