Caça ilegal leva rinoceronte negro à extinção

Esforços pouco eficientes contra a caça ilegal são os culpados pela perda da última espécie selvagem de rinocerontes negros do oeste africano, o que levou essa subespécie de rinocerontes ser declarada oficialmente extinta esta semana, disseram conservacionistas nesta sexta-feira.

AE, Agência Estado

11 de novembro de 2011 | 18h40

Valorizados pelos caçadores ilegais por causa de seus chifres, que são usados como troféus e na medicina tradicional, os rinocerontes negros do oeste africano agora apenas existem em zoológicos. "Houve esforços muito limitados contra a caça ilegal", disse Craig Hilton-Taylor, da União Internacional para a Preservação da Natureza.

A perda é significativa porque o rinoceronte negro do oeste africano é geneticamente distinto de outras subespécies de rinocerontes. E a reintrodução de animais nascidos em cativeiro é muito custosa e pode ser impossível, dizem especialistas. Os esforços para preservar outras subespécies de rinocerontes negros no sul e leste da África têm obtido mais sucesso, mas os caçadores seguem atuando.

Cerca de 100 mil rinocerontes negros do leste percorriam o continente no início do século 20. Em 1960, eram apenas 1.500. Hoje, cerca de 4.500 existem graças à procriação intensiva e os esforços de preservação.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.