Caça Rafale destrói jato líbio com novo tipo de bomba inteligente

O primeiro tiro de destruição na ofensiva da Líbia foi da aviação da França, há dois dias. E, embora contra inimigo precário, acabou sendo uma boa demonstração de tecnologia.

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2011 | 00h00

O alvo era um velho caça G-2A Galeb, com 30 anos de uso. E o atacante, um Rafale, novo em folha, armado com um AASM da nova geração de mísseis e bombas inteligentes, projetados para ataques de precisão. A Força Aérea da França mantinha os detalhes em sigilo até ontem à noite. Mas fontes americanas relataram que cinco jatos foram detectados, voando baixo em direção à cidade de Misrata. Um deles, o do centro da formação, realizava voo de reconhecimento fotográfico com câmeras analógicas.

O Rafale, orientado por um grande jato de controle Awacs, acompanhava o grupo. Quatro G-2A foram capturados pelas forças rebeldes ao pousar. O quinto, terminou abatido por uma AASM de 250 quilos, lançada pelo caça à distância de 20 km.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.