Yoo Hyung-Jae/Yonhap/REUTERS
Yoo Hyung-Jae/Yonhap/REUTERS

Caça sul-coreano cai no noroeste do país; causas ainda são desconhecidas

Avião retornava a sua base com dois pilotos a bordo; corpos já foram resgatados pela Força Aérea

Efe,

18 de junho de 2010 | 04h08

SEUL - Um caça sul-coreano F-5 caiu nesta sexta-feira, 18, nas cercanias da província de Gangneung, nordeste da país, por volta das 10h33 locais (22h33 de quinta em Brasília), segundo a agência local Yonhap, que cita fontes das Forças Aéreas e ainda não destaca as causas.

Tudo indica que o avião caiu em águas do Mar Oriental (Mar do Japão) quando retornava a sua base com dois pilotos a bordo. Por isso, o exército sul-coreano iniciou os trabalhos de busca com helicópteros.

 

A Força aérea disse que já conseguiu recuperar os corpos dos dois pilotos.

O avião, um F5 de treino, desapareceu dos radares quando fazia o caminho de volta à base de Gangneung 50 minutos após a decolagem. A base se localiza a 147 milhas (237 km) a leste de Seul.

 

A Força Aérea sul-coreana também mandou todos os seus F-5 voltaram a seus postos e permanecerem em terra para checagens de segurança. A causo do acidente ainda é desconhecida.

 

Em março, dois jatos F-5 colidiram com uma montanha durante um treinamento, matando três pilotos.

O caça F5 é um modelo que começou a ser utilizado no mundo nos anos 60 e cumpre normalmente as funções de treino de novos pilotos.

A situação entre as duas Coreias passa por um de seus piores momentos após o afundamento do Cheonan, em 26 de março, matando 46 marinheiros sul-coreanos. Após uma investigação internacional, a Coreia do Sul atribuiu o ataque ao país vizinho.

A Coreia do Norte negou em várias ocasiões sua participação e acusou o Governo sul-coreano de "fabricar" as provas, e ameaçou tomar medidas militares se o Conselho de Segurança da ONU condenar o regime de Kim Jong-il.

Seul apresentou esta semana as conclusões da investigação do afundamento do Cheonan perante o Conselho de Segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.