Caçadores de raposa invadem o Parlamento britânico

No que foi apontado como a mais a grave invasão do Parlamento britânico desde o século 17, seis ativistas burlaram a segurança e chegaram ao plenário da Câmara dos Comuns, assustando os deputados que debatiam um projeto de lei proibindo a tradicional caça à raposa na Inglaterra e País de Gales. Os ativistas, que defendem a caça, chegaram perto da tribuna, gritando em coro: "Não há democracia! Não há democracia!"Foi o segundo incidente no plenário desde maio, quando dois membros do movimento Pais por Justiça lançaram um preservativo com farinha colorida sobre o primeiro-ministro Tony Blair, que discursava. E o segundo da semana: na segunda-feira, outro membro desse mesmo grupo, que luta pelo reconhecimento do direitos dos pais divorciados à guarda dos filhos, penetrou fantasiado de Batman nos jardins do Palácio de Buckingham - considerado o edifício mais bem protegido da Grã-Bretanha. Aproveitando a grande confusão diante do prédio da Câmara, quando 10 mil manifestantes se chocaram com policiais, os seis entraram na edifício, cuja segurança fora revisada depois do episódio de maio, usando ternos executivos ou jaquetas amarelas semelhantes às dos trabalhadores que executam obras de reforma da Câmara. Ali, vestiram camisetas brancas com lemas favoráveis à caça. Depois de 20 minutos de suspensão dos trabalhos, a lei acabou sendo aprovada em primeira votação por 356 votos a 166. Uma segunda votação estava marcada ainda para a noite de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.