Caçados pela polícia, terroristas se suicidam no Marrocos

Três suspeitos terroristas se explodiram e outro foi baleado pela polícia enquanto se preparava para a detonação, informaram autoridades do Marrocos nesta terça-feira, 10.Um policial morreu nas operações e um outro se feriu seriamente na terceira explosão. Uma criança de sete anos sofreu leves ferimentos, informaram autoridades.A primeira explosão aconteceu quando a polícia sondava o apartamento onde os três terroristas se escondiam, num bairro operário na cidade de Casablanca, a maior do país.Quando os policiais cercaram o local, um dos terroristas fugiu para o telhado e explodiu a carga que carregava. A agência MAP de notícias do país identificou o homem-bomba como Mohamad Rachidi.O segundo homem estava a caminho de detonar os explosivos que carregava quando foi baleado pela polícia e morreu devido aos ferimentos, disseram autoridades. O terrorista foi identificado como Mohamed Mentala e carregava 4 quilos de explosivos, segundo porta-voz do Ministério do Interior.O terceiro suspeito fugiu, e se detonou nesta tarde, quando a polícia vasculhava os arredores do prédio em sua procura.Centenas de agentes das forças de segurança marroquinas isolaram o bairro e começaram a fazer buscas casa por casa com o objetivo de deter o terrorista, que ao ser encontrado, explodiu um cinto com explosivos. Esta explosão feriu o policial e a criança de sete anos.O quarto suspeito detonou seus explosivos no meio de uma avenida, disseram fontes policiais. Segundo a MAP, esta última explosão feriu cinco pessoas.As informações foram fornecidas pelos próprios policiais, que não quiseram se identificar.Terroristas com históricoOs três terroristas estavam sendo procurados por sua suposta relação com o atentado suicida de 11 de março.Mentala e Rachidi já eram procurados pela polícia desde 2003, acusados de participação dos atentados de 16 de maio daquele ano, que deixaram 45 mortos em Casablanca.Ayyoub Raydi, de 23 anos, autor da terceira explosão suicida, é irmão de Abdelfettah Raydi, homem-bomba que explodiu um cybercafé semanas atrás em Casablanca.Desde 11 de março, a Polícia marroquina deteve dezenas de pessoas por sua suposta implicação naquele atentado, das quais 31 já foram acusadas por pertencer "a um grupo criminoso com o objetivo de cometer atentados".As autoridades marroquinas consideram que este grupo terrorista ainda estava em fase de formação e que os explosivos que estavam em seu poder eram de fabricação caseira.As eleições parlamentares estão agendadas para Setembro. O partido da Justiça e Desenvolvimento, islâmico e de oposição, é cotado como favorito.Atualizado às 18h04

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.