REUTERS/Denis Pinchuk
REUTERS/Denis Pinchuk

Caças suíços escoltam avião de delegação russa e causam tensão

Incidente foi criticado pelo Kremlin, que exigiu explicações; governo suíço afirmou que acompanhamento foi uma 'verificação de rotina'

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2016 | 17h20

GENEBRA - Um incidente envolvendo um avião russo e três jatos suíços reabriu velhos fantasmas da Guerra Fria. Na sexta-feira, um avião com uma delegação oficial de Moscou a caminho do Peru sobrevoava o espaço aéreo suíço quando passou a ser escoltado por aviões de guerra dos suíços. 

O avião russo levava membros do governo e jornalistas à cúpula da Apec, realizada no Peru, e os passageiros foram surpreendidos pela presença, ao lado, de jatos F/A 18, com bandeira suíça. Nas redes sociais, a embaixada russa em Berna alertou que "expressou surpresa e pediu explicações da Suíça" diante do ocorrido. 

Em uma resposta, o governo do país alpino confirmou que um jato de sua força aérea acompanhou o avião russo. Mas apenas para realizar "verificações de rotina".  De acordo com o Ministério da Defesa da Suíça, a escolta ocorreu por apenas sete minutos e que não fugia a qualquer outro procedimento realizado durante o ano. 

De acordo com os suíços, cerca de 400 voos em 2016 foram acompanhados para verificações e confirmação da procedência da aeronave. "Trata-se do mesmo procedimento de patrulhas de polícia nas ruas para verificar se um carro não é roubado", declarou o Ministério da Defesa.

O presidente russo, Vladimir Putin, viajou para a cúpula da Apec em um outro avião, mas fazendo o mesmo percurso. 

A tensão entre Moscou e o Ocidente, nos últimos dois anos, levou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) a ordenar que seus jatos patrulhem diversas áreas da Europa para avaliar a presença de aviões russos. Fontes na aliança militar apontam que cerca de 600 jatos russos foram interceptados nos céus dos países da Otan apenas em 2016. 

Essa não é a primeira vez que aviões dos dois países são alvos de um incidente. Em outubro de 2015, um jato que levava uma delegação de deputados russos a um evento em Genebra também foi escoltado. Na época, Moscou protestou e o governo suíço pediu desculpas, alertando que se tratava de operações regulares. 

Agora, o Kremlin voltou a desconfiar da manobra aérea. "A tentativa dos responsáveis suíços em apresentar o incidente como um procedimento normal parece pouco convincente", disse o Ministério de Relações Exteriores da Rússia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.