Caças turcos atacam bases curdas no Iraque

Segundo a agência ?Anatolia?, alvos em províncias turcas também foram bombardeados e pelo menos 34 rebeldes separatistas morreram

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

25 de outubro de 2007 | 00h00

Ontem várias posições de rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistao(PKK)na Turquia e em território iraquiano,informou a agencia semi-oficial de noticias Anatolia. Mas o governo turco disse que quer evitar uma incursão maior paradar uma chance a diplomacia.De acordo com a agencia, os jatos destruíram bases dos separatistas nas províncias turcas de Sirnak, Hakkiri, Siirt eVan e pelo menos 34 rebeldes do PKK foram mortos. Segundoum funcionário iraquiano, um vilarejo curdo no Iraque,Perto de Shiranish Islam(25 quilômetros a noroeste da cidadede Dahuk),também foi intensamente bombardeado.No entanto, ele não informou sobre danos. Fontes do serviço de segurança da Turquia disseram que cacas F-16 já haviam realizado, no domingo,incursões 20 quilômetros dentro do território iraquiano, bombardeando campos de treinamento da guerrilha curda, enquanto 300 soldados avançavam cerca de 10 quilômetros no norte do Iraque.O governo turco sofre intensa pressão interna para atacarDuramente os separatistas, que tem usado as montanhas do nortedo Iraque para lançaar ações armadas contra alvos turcos.Ancara, por sua vez, vem pressionando Bagdá a cumprir suapromessa de conter os cerca de 3 mil rebeldes dos PKK que estão no território iraquiano,mas esta cética sobre a capacidade do governo do Iraque de agir contra os guerrilheiros curdos.O primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, prometeu naterça-feira fechar os escritórios do PKK no Iraque, contersuas atividades e bloquear seus fundos. Um funcionário turcodisse ontem que o presidente iraquiano, o curdo Jalal Talabani, havia prometido entregar os militantes do PKK a Turquia.Mas Talabani desmentiu a afirmação. Prosseguem os intensos esforços diplomáticos para persuadir a Turquia a não lançaruma ofensiva terrestre contra as bases do PKK no Iraque.Umfuncionário turco descreveu a planejada visita a Ancara deUma delegação de políticos e militares iraquianos de alto escalão como a última chance para a diplomacia.A Casa Branca pediu moderação a Turquia, após os ataquesaéreos de ontem. A secretaria americana de Estado, CondoleezzaRice, disse que as ofensivas turcas na fronteira não sãoúteis. Mas um funcionário do Pentágono disse que o governoamericano está muito frustrado com o fato de os governosdo Iraque e do Curdistão iraquiano não terem agido contraos rebeldes.O presidente do Curdistão iraquiano, uma região autônoma,Massud Barzani,pediu ontem ao PKK que abandone a luta armada.O governo de Ancara diz que os rebeldes do PKK mataram mais de30 mil pessoas desde 1984, quando o grupo iniciou sua luta armada pela criação de um Estado independente.O secretario americano de Defesa,Robert Gates, dissequea Turquia e os EUA precisam de melhores informações de inteligência sobre a localização das bases do PKK no norte doIraque antes de lançar grandes ataques. Sem boas informações,não faz sentido lança bombas ou enviar um grande númerode soldados ao outro lado da fronteira, disse, ao ser questionado sobre a possibilidade de os EUA lançarem ataques aéreos contra o PKK.O Parlamento turco autorizou na semana passada o Exército a lançar ofensivas contra os rebeldes no Iraque. A Turquiaenviou mais de 100 mil soldados a fronteira e advertiu que lancará uma grande incursão no Iraque contra os separatistas curdos a menos que as forcas iraquianas e americanas contenhamo PKK.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.