Cadáver achado em Trípoli pode ser de filho do ditador líbio

Segundo insurgentes, corpo seria de Khamis, comandante de unidade militar especial do regime de Kadafi

, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2011 | 00h00

TRÍPOLI

A rede de televisão Al-Jazira afirmou ontem que o corpo de Khamis Kadafi, filho do ditador líbio, Muamar Kadafi, foi encontrado no país, juntamente com o do chefe de inteligência Abdullah al-Sanussi. As mortes, porém, não foram confirmadas. Na véspera, os rebeldes haviam anunciado a detenção de outros três filhos do líder líbio. Um deles, Mohammad, fugiu da prisão domiciliar.

Mas ontem, as agências de notícias desmentiram que um dos filhos, Saif al-Islam Kadafi, tivesse sido preso. Segundo a France Presse, ele estava no complexo residencial em Trípoli e se reunira com vários jornalistas.

Os descendentes de Kadafi têm ocupado diversos cargos no regime líbio, principalmente nas áreas de segurança, comunicações, economia e esporte - e são conhecidos por se envolver em escândalos e protagonizar denúncias de assassinatos e afrontas aos direitos humanos.

Khamis comanda uma brigada de elite, uma das principais das Forças Armadas líbias.

Mohammad, dirigia o comitê olímpico líbio. Por ser o primogênito, ele chegou a ser cogitado como um possível sucessor do pai, mas se mostrava desinteressado pelo cargo. Ele comandava ainda a empresa operadora de telefonia celular e comunicação via satélite na Líbia.

Entre os detidos está também o ex-jogador de futebol Saadi Kadafi, que, em 1996, foi acusado de ordenar a morte de ao menos 20 líbios em uma partida de sua equipe. Fontes diplomáticas afirmaram que o terceiro filho do ditador se enfureceu com uma decisão do árbitro que prejudicou seu time e mandou seu guarda-costas disparar contra torcedores que gritavam slogans contra o ditador. O Tribunal Penal Internacional negocia a deportação dos filhos do ditador para julgamento em Haia. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.