Jose Sánchez / AFP
Jose Sánchez / AFP

Cadáveres se acumulam até em banheiro de hospital em Guayaquil

Enfermeiro narra pesadelo vivido no sistema de saúde da cidade, um dos maiores focos de propagação do novo coronavírus na América Latina

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2020 | 05h00

GUAYAQUIL - Em um hospital de Guayaquil, no Equador, os mortos da pandemia chegam a se amontoar até mesmo nos banheiros. Alguns foram embrulhados em mortalhas por enfermeiros porque "a equipe do necrotério não estava recebendo material", revela um profissional da saúde.

O homem, que aceitou falar com a AFP por telefone sem se identificar por causa do medo de ser demitido, compartilha o "pesadelo" que viveu no sistema de saúde saturado de Guayaquil, um dos maiores focos de propagação do novo coronavírus na América Latina. 

O que testemunhou, diz ele, é "traumático" e afetou sua vida dentro e fora do trabalho.

Quando a emergência começou, em março, lembra, cada enfermeiro passou de atender de 15 a 30 pacientes em um turno de 24 horas. "Chegava tanta gente que quando você ia colocar o soro, morriam praticamente em suas mãos."

Então, "foram dando alta ou enviando pacientes (a outros centros) para liberar todos esses leitos. Temos 65 leitos de unidade de cuidados intensivos ocupadas por pacientes com covid. Tiraram as máquinas de anestesia dos centros cirúrgicos para supri-las com os respiradores". 

"As pessoas (doentes) estão sozinhas, tristes, a medicação lhes causa danos gastrointestinais, alguns defecam em si mesmos; se sentem mal e pensam que sempre vão estar assim e veem que o paciente ao lado começa a ter falta de ar e a gritar que precisa de oxigênio."

As mortes se multiplicaram rapidamente, segundo o funcionário. "A equipe do necrotério não estava estocando e o que nos restou fazer muitas vezes foi cobrir os corpos e acumulá-los nos banheiros." 

Seus colegas, acrescenta, "tiveram de segurar a vontade" de usar os banheiros, ocupados "por cadáveres".

Somente quando "seis ou sete são empilhados, eles vêm buscá-los", conta o enfermeiro de 35 anos e três de serviço em um dos centros hospitalares que enfrentam a pandemia no Equador, onde há oficialmente 22.700 infectados e 576 mortos desde 29 de fevereiro, grande parte em Guayaquil. Estudo divulgado na semana passada pelo New York Times aponta que o número de mortos no Equador é 15 vezes maior ao oficial.

Sindicatos de profissionais reportam uma centena de médicos e enfermeiros mortos por covid-19 e 147 infectados na província costeira de Guayas, da qual Guayaquil é a capital.

Outras duas fontes do serviço público de saúde, que também falaram com a AFP com reservas, descreveram fatos similares.

"No corredor da Emergência é que se colocavam os cadáveres porque o necrotério estava cheio", disse um médico de outro hospital, acrescentando que "havia 20 ou 25 corpos esperando" para serem levados ao local.

 

Fuga

A contagem oficial está um passo atrás da tragédia. Nos primeiros 15 dias de abril, os óbitos se triplicaram em relação à média mensal e chegaram a 6.700 na Província de Guayas e sua capital, Guayaquil. Nessa lista estão incluídas as vítimas e casos suspeitos do novo coronavírus, assim como as de outras doenças.  

O presidente do Equador, Lenín Moreno, admite que os registros não dão conta. Uma sensação reforçada com o que foi descrito pelo enfermeiro.

Segundo ele, depois que os necrotérios ficam lotados, contêineres refrigerados chegam ao hospital para depositar os corpos, sendo que alguns deles ficam por até dez dias "embrulhados em capas que são como uma mala de viagem preta".

Alguns parentes "rasgam a capa (...) e os fluídos saem. Isso é um desastre sanitário", comenta. 

Em meio à emergência, "todo mundo fugiu. A equipe administrativa se instalou em um local seguro. Os psicólogos que deveriam estar trabalhando fugiram (...), os 32 dentistas que deveriam estar ajudando (...) a fazer os registros também". 

O enfermeiro quase não sente o consolo de ter visto o número de mortos diminuir na semana passada. Na volta para casa, os tormentos o acompanham.

"No que a gente pensa é em ficar doente e o peso na consciência de que (...) também tenha podido adoecer pacientes."

 

Sem consolo 

Quando volta para casa após 24 horas de serviço, com dor nos pés, tenta descansar. Mas logo é despertado pelo pesadelo: corre até cair e abrir a porta do banheiro com a quantidade de cadáveres. "Você não consegue voltar a dormir", confessa.

Sua vida familiar também foi interrompida. Não consegue mais dividir os problemas com os pais e o irmão e agora segue um estrito autoisolamento que começa com o ritual de desinfetar o carro e seus sapatos. Segue-se uma ducha no pátio da casa e a lavagem da roupa com água quente.

"Como em uma mesa de plástico longe de todos. Saio do meu quarto com máscara, não posso abraçar ninguém, nem os animais de estimação", relata. De vez em quando, pensa na marca que a pandemia está deixando nele.

"Te marca o fato de não poder colaborar mais além de colocar uma cânula, sabendo que (o paciente) precisa de um ventilador e você não tem outra opção" quando se trata de idosos com diabetes ou hipertensão.

"Te dizem: bom, coloque o oxigênio e o soro lento e deixe-o lá. Mas e se fosse minha mãe? E se fosse meu pai? Isso te mata, te mata psicologicamente." / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.