Str/EFE
Str/EFE

Cadeia de Acapulco tinha galos de briga e prostitutas

Operação policial também encontrou maconha, bebidas alcoólicas e armas brancas em cadeia da cidade turística

AE, Agência Estado

08 de novembro de 2011 | 09h42

ACAPULCO - Autoridades localizaram pelo menos 19 prostitutas, mais de 100 galos de briga, dois pavões reais e uma centena de televisores dentro de uma cadeia na cidade turística de Acapulco, em Guerrero, no sul do México. Um porta-voz do governo estadual, Arturo Martínez, disse em comunicado que durante uma operação na prisão de Acapulco também encontrou-se maconha, bebidas alcoólicas e armas brancas.

As autoridades começaram a fazer uma revista na prisão na noite de domingo, 6, e a encerraram na madrugada da segunda-feira, 7, como parte de uma operação recente chamada "Guerrero Seguro", com a qual as autoridades federais e estaduais buscam enfrentar o salto dos crimes em geral e do narcotráfico em particular no Estado. Durante a ocupação também foram transferidos para outras prisões 59 homens e uma mulher, cujas identidades não foram reveladas.

Acapulco sofre com uma espiral de violência atribuída a disputas de grupos rivais do narcotráfico que buscam controlar as atividades ilegais na zona.

Em setembro, foram encontrados em uma cadeia de Sonora, Estado do norte mexicano, refrigeradores, três controles de videogames e dois telefones celulares. Em maio, autoridades descobriram em Chihuahua, também no norte, um quarto decorado como um bar, onde os réus podiam tomar cerveja, tequila e vodca. O lugar também tinha uma mesa de bilhar. Alguns funcionários já foram presos no país por participação na entrada de itens proibidos para dentro das cadeias.

 

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
MÉXICOCADEIAPROSTITUTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.