Cadetes são indiciados em escândalo sexual na Austrália

Acusados teriam divulgado na internet imagens de um casal de colegas tendo relação sexual.

BBC Brasil, BBC

29 de abril de 2011 | 13h37

Um escândalo sexual na Academia das Forças Armadas da Austrália levou ao indiciamento de dois cadetes. O caso também está provocando uma revisão do tratamento dispensado às mulheres militares do país.

Os acusados teriam filmado secretamente uma cadete enquanto mantinha relações sexuais com um colega e transmitido o ocorrido pela internet.

Os dois cadetes, de 18 e 19 anos, foram indiciados sob alegação de mau uso de serviço de comunicação eletrônica. Um deles também foi indiciado por ato indecoroso. Se condenados, os acusados podem parar na cadeia.

O governo australiano abriu diversos inquéritos em resposta ao incidente.

A suposta vítima dos cadetes disse que teve uma relação sexual consensual com um colega. O ato foi transmitido por uma webcam para seis outros cadetes que assistiam em um outro cômodo.

Fotografias do ato sexual também teriam sido distribuídas pela academia.

O incidente levou à suspensão do comandante da academia e à abertura de pelo menos dois inquéritos.

O governo australiano pediu à Comissária para Discriminação Sexual do país, Elizabeth Broderick, que faça uma avaliação sobre a forma como mulheres são tratadas, tanto na academia como nas Forças Armadas como um todo.

Também foram abertos inquéritos sobre o consumo de álcool e o uso de mídias sociais pelos militares.

Escândalo

Outro escândalo abalou recentemente a Marinha australiana.

Em fevereiro, o Departamento de Defesa divulgou um relatório detalhando uma cultura de comportamento sexual "predatório" a bordo do navio de suprimentos navais HMAS Success.

O documento revelou uma prática na qual oficiais do sexo feminino são tratadas com desdém, além de relatos de consumo abusivo de álcool e quebra na disciplina.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.