Caixa-preta de Airbus confirma colisão com aves

Piloto narra momento do pouso e diz que não teve opção, pois avião estava próximo dos prédios

AP e Guardian, Nova York, O Estadao de S.Paulo

19 de janeiro de 2009 | 00h00

As caixas-pretas do Airbus 320 que fez um pouso forçado na quinta-feira no Rio Hudson, em Nova York, confirmaram que a colisão de aves causou o acidente. As gravações dos dados de voo também mostraram que os dois motores do avião da US Airways foram simultaneamente afetados. O avião foi retirado do rio no sábado e as caixas-pretas foram enviadas ontem a Washington para análise.Durante o primeiro depoimento para o Conselho Nacional de Segurança dos Transportes nos EUA (NTSB, na sigla em inglês), o piloto do avião, capitão Chesley Sullenberger, disse que teve de recorrer ao pouso forçado por causa de uma pane nos motores depois que pássaros cruzaram o caminho da aeronave.O NTSB disse que dados dos radares confirmam que o avião cruzou com algo no céu, muito provavelmente pássaros, enquanto decolava. Estes objetos não estavam no radar do controlador de tráfego aéreo que aprovou a decolagem, segundo Kitty Higgins, membro do conselho do NTSB.Sullenberger disse no depoimento que viu pássaros grandes e marrons pelo para-brisa do avião. "O instinto dele foi de desviar", disse Higgins, comentando o depoimento do piloto. Então, segundo Sullenberger, houve uma pancada, o cheiro de algo queimado e silêncio, por causa da paralisação das turbinas do avião.O piloto contou que teve pouco tempo para decidir como manobrar a aeronave, que perdeu potência. Achou que estava muito baixo, muito lento e muito próximo dos edifícios no centro de Manhattan para tentar pousar no aeroporto mais próximo. "Não podemos fazer isso (retornar ao aeroporto)", disse o piloto aos controladores. "Vamos descer no (rio) Hudson." Sullenberger tornou-se um herói nacional por conseguir fazer um pouso considerado muito difícil e salvar as 155 pessoas que estavam a bordo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.