AP | 04.02.2015
AP | 04.02.2015

Caixas-pretas mostram falhas em turbinas de avião da TransAsia

Segundo autoridades, problema ocorreu 37 segundos após a decolagem; piloto ainda tentou desligar e reiniciar uma turbina

O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2015 | 10h57

TAIPÉ - O acidente com o avião da TransAsia que caiu em um rio de Taipé matando 35 pessoas ocorreu porque as turbinas não conseguiram gerar força suficiente para as hélices após a decolagem, disseram autoridades na quinta-feira, revelando tentativas do piloto de desligar e reiniciar uma turbina.

O voo GE235 levava 58 passageiros e tripulantes quando o avião adernou entre prédios, bateu uma das asas em um viaduto e então caiu de cabeça para baixo em um rio de águas rasas, na quarta-feira 4. Quinze pessoas sobreviveram.


Os dados das caixas-pretas de dados e voz do avião bimotor mostraram que problemas com a turbina direita e, em seguida, na esquerda fez a aeronave emitir cinco alertas antes de cair no centro de Taipé, disseram funcionários do Conselho de Segurança na Aviação.

O motor da direita primeiro entrou em um estado chamado de "auto-feather", no qual reduz sua potência para a hélice, de acordo com o diretor-gerente do conselho, Thomas Wang. A tripulação então reduziu a aceleração no motor esquerdo e tentou reiniciá-lo, mas não conseguiu a força necessária.

Wang não indicou um motivo para a falha. "O primeiro motor teve um problema 37 segundos após a decolagem, a 1.200 pés", explicou.

Segundo o funcionário, o piloto anunciou "falha na combustão", o que pode ocorrer quando o suprimento de combustível para um motor é interrompido ou quando há falha na combustão, mas não aconteceu isso. "A tripulação pisou no acelerador do motor 2 (do lado direito). O motor ainda estava funcionando, mas nenhum deles produziu potência", acrescentou.

Ele disse que a aeronave poderia voar com apenas um motor. O avião estava equipado com dois motores da Pratt & Whitney, que faz parte da United Technologies.

Herói. O piloto Liao Chien-tsung, de 42 anos, saudado como um herói por suas ações nos momentos finais do acidente, ainda estava segurando os controles na cabine quando seu corpo foi encontrado, informou a imprensa nesta sexta-feira, 6.

Liao tem sido elogiado pelo prefeito de Taipé por ter conduzido a aeronave por entre prédios de apartamentos e comerciais antes de conduzi-lo para o rio.

Os corpos de Liao e do copiloto foram retirados da cabine do ATR 72-600, um avião praticamente novo, ainda segurando os controles e com as pernas quebradas, disseram os investigadores. "Eles tentaram salvar essa aeronave até o último minuto", disseram promotores não identificados envolvidos na investigação do acidente, segundo a mídia local.

Oito pessoas ainda estão desaparecidas. Funcionários da aviação disseram que não perderam a esperança de encontrá-las.

O avião decolou do aeroporto de Songshan, no centro de Taipé, com destino à ilha de Kinmen, em Taiwan. Entre as pessoas a bordo estavam 31 turistas da China, a maioria da cidade de Xiamen, no sudoeste.  

O órgão regulador da aviação de Taiwan ordenou que a TransAsia e a Uni Air, uma subsidiária da EVA Airways Corp, realizem checagens nos controles do motor e do sistema de combustível nas 22 aeronaves ATR que operam. /REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
TaiwanTranAsiaqueda de avião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.