Calderón cita canção sobre ´valentões´ para falar de Chávez

O presidente mexicano, o conservador Felipe Calderón, referiu-se na sexta-feira a seu colega da Venezuela, Hugo Chávez, citando uma canção sobre "valentões". Os dois governantes estão envolvidos em um duro duelo verbal, mas o mexicano pediu que as diferenças sejam resolvidas sem insultos.Chávez voltou a criticar Calderón na quinta-feira, ao afirmar que a pobreza no México cresceu devido à política econômica e que Calderón errou ao apresentar no recente Fórum Econômico Mundial de Davos o seu modelo como sendo o ideal para toda a América Latina.Calderón, no poder desde 1o de dezembro, fez uma clara referência a Chávez na sexta-feira, embora sem citá-lo nominalmente, quando afirmou: "Aqui não conhecemos os tais valentões, mas se é necessário nos sobra coração" -- a frase remete a uma canção popular de Michoacán, o Estado natal de Calderón, que também defendeu a abertura comercial mexicana."Podemos estar ou não de acordo com isso, mas insisto que discutamos sempre com argumentos, sem sair do tom ou fazer desqualificações pessoais", disse Calderón, acompanhado do secretário de Comércio dos EUA, Carlos Gutiérrez, durante visita a Michoacán."Sobre o futuro dos nossos países, devemos dialogar com fatos, com razões, e não cair em provocação", acrescentou.Chávez na semana passada exigiu respeito de Calderón, que em Davos criticou as "economias do passado", nas quais "ações do Estado afetam os investimentos, como Argentina, Bolívia, Venezuela e outros".O presidente venezuelano disse que o mexicano era um "cavalheirozinho" que seguia os passos de seu antecessor, Vicente Fox, com quem também Chávez teve atritos -- chamou-o em 2005 de "filhote do império", num incidente que levou à retirada dos respectivos embaixadores, até hoje afastados.Calderón fez seu discurso durante o embarque do primeiro carregamento de abacate tipo Hass da cidade de Uruapan para os Estados Unidos, depois de mais de 80 anos de restrições comerciais, com o que se completou a abertura do abacate mexicano para esse país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.