REUTERS/Stephen Lam
REUTERS/Stephen Lam

Califórnia decreta estado de emergência por conta de incêndios florestais

No condado de Sonoma, ao norte de São Francisco, 180 mil pessoas devem deixar suas casas; Fogo já destruiu 79 prédios e danificou 14

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2019 | 17h55

O governador da Califórnia, Gavin Newson, decretou estado de emergência neste domingo, 27, por conta dos incêndios florestais que atingem várias regiões do Estado. Autoridades locais ordenaram a retirada de mais de 180 mil pessoas no condado de Sonoma, ao norte de São Francisco, onde mais de 12 mil hectares de floresta já foram consumidos pelas chamas. 

Até agora, apenas 10% do fogo na área havia sido contido. “Nós estamos implantando todos os recursos disponíveis e coordenando com com várias agências enquanto continuamos a responder aos incêndios”, disse Newson. Segundo ele, mais de 3 mil bombeiros foram convocados a ajudar no combate às queimadas, que estão sendo chamadas de Kincade por acontecerem perto da rodovia John Kincade. 

Os incêndios em Sonoma começaram na noite da última quarta-feira, 23, e já destruíram 79 prédios, entre eles 31 residências, e danificaram outros 14. Não foram registrados feridos. Entre 90% e 95% das pessoas na zona de evacuação devem deixar a área, segundo autoridades. No entanto, ninguém será forçado a sair de casa.

No sul da Califórnia, incêndios ameaçam Los Angeles 

Outros mais de mil bombeiros estão trabalhando para conter os incêndios nas florestas de Santa Clarita, ao sul da Califórnia, onde cerca de 1,8 mil hectares estavam queimando na manhã deste domingo. As chamas já ameaçam residências na região de Los Angeles.

Moradores de regiões distantes dos incêndios também estão sendo afetados, já que os dois principais centros de distribuição de energia elétrica do Estado, o Pacif Gas e a Electric, foram desligados, deixando quase 1 milhão de pessoas sem luz. A medida foi tomada para evitar que os equipamentos possam alimentar o fogo. Vários moradores de Sonoma deixaram suas casas na escuridão. 

"É fundamental que as pessoas nas zonas de evacuação atendam às advertências de funcionários e socorristas e tenham os recursos locais e estaduais de que precisam ao combater esses incêndios", destacou Newsom.

Ventos de mais de 80 km/h continuam a dificultar o trabalho dos bombeiros e espalham  o fogo por mais de 1 km de distância, criando focos de incêndio que podem se expandir se não forem contidos a tempo. No condado de Sonoma, uma das rajadas chegou a 149 km/h

"Temos um ritmo de propagação extremamente perigoso neste momento, com comportamento irregular do incêndio", explicou Stephen Volmer, analista de comportamento de incêndio da Cal Fire.

Um dos principais temores dos bombeiros é de que o fogo avance sobre a rodovia 101, uma das principais do estado, já que, naquela região, há menos experiências recentes com queimadas, o que pode tornar seu curso mais imprevisível. “Aquela área não registra incêndios desde os anos 1940”, revelou Volmer, acrescentando que a vegetação na região é densa, seca e antiga. /NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.