Calor está derretendo geleiras dos Alpes

A onda de calor que atinge a Europa está fazendo outra vítima: as geleiras supostamente eternas dos Alpes, que estão derretendo diante das temperaturas altas que estão sendo observadas em países como a Suíça, Áustria, Itália e França. Nos Alpes, as temperaturas de junho e julho foram as mais altas em 250 anos, segundo dados dos governos da região. Em muitas montanhas, consideradas como os cartões postais dos países alpinos, a camada de neve conseguese manter intacta durante o verão europeu.Mas desta vez, nem mesmo os picos nevados a uma altitude de mais de 2 mil metros conseguiram ficar livres do degelo. Em Zermatt, pequena vila turística da Suíça e ao pé do pico do Matterhorn, os termômetros ontem marcavam uma temperatura de 33 graus, mesmo a 1,6 mil metros do nível do mar.O que preocupa as autoridades é que o fenômeno geográfico já está tendo consequências negativas. O derretimento da neve está causando frequentes avalanches e mais de uma dezena de alpinistas já morreram em julho vítimas dos deslizamentos, número inédito em um só mês. Para evitar os riscos, várias montanhas foram fechadas ao público, o que também não costuma ocorrer durante o verão. Além disso, existe o risco de que o degelo gere enchentes que poderiam afetar as pequenas cidades nos vales da região.Outro temor das autoridades é quanto à segurança dos teleféricos na Suíça e na Áustria. Cerca de 280 deles estão construídos sobre as geleiras, que normalmentesão sólidas. Com as altas temperaturas, a preocupação é de que o uso dos teleféricos represente um risco para os turistas.PrejuízosDiante de tantos problemas, os turistas que esperam os meses de verão para escalar as montanhas mais altas da Europa começam a desaparecer. Por dia, cerca de 150 pessoas tentam chegar ao topo do Matterhorn, mantendo a economia das estações de esqui enquanto o inverno não chega. Segundo o governo suíço, por exemplo, a redução do número de turistas poderá ter um importante impacto na economia de várias cidades durante o resto do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.