Calor mortal faz Chirac prometer melhorar serviço de saúde

Em suas primeiras declarações a respeito de uma mortal onda de calor que pode ter levado à morte um número estimado em mais de 10 mil pessoas na França, o presidente Jacques Chirac prometeu nesta quinta-feira corrigir as falhas dos serviços de saúde no país. Chirac, duramente criticado por jornais e políticos da oposição por não ter falado mais cedo, disse ter pedido um estudo em profundidade sobre a crise da saúde e suas causas.?Será feito tudo o que for possível para corrigir as insuficiências que notamos em nosso sistema de saúde?, disse Chirac, falando ao vivo após uma reunião de seu gabinete sobre a onda de calor que castigou a França nas duas primeiras semanas de agosto. Chirac se pronunciou a respeito após passar três semanas de férias no Canadá. Durante suas férias, o presidente francês não havia se manifestado publicamente sobre a onda de calor, embora seu escritório insistisse em que ele vinha acompanhando a crise de perto. Ao contrário, lembraram os socialistas, o ex-primeiro-ministro Lionel Jospin interrompeu suas férias no Egito em 1999 quando a França foi castigada por tempestades. Após fazer notar que as temperaturas se elevaram este ano a um nível ?excepcional?, o presidente francês, num aparente esforço para afastar as críticas a seu governo, acrescentou: ?Agora, é tempo de meditação, de solidariedade e ação?, referindo-se aos ?mais idosos e mais carentes?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.