Calote argentino pode gerar crise global, diz economista

O economista norte-americano Robert J. Samuelson adverte, num artigo publicado na edição desta quarta-feira do jornal The Washington Post, que um eventual calote da dívida da Argentina poderá desencadear a próxima crise financeira global, além de levar à uma retração generalizada dos investimentos em mercados emergentes. Segundo ele, essa crise global, se vier, será menos administrável do que as anteriores em razão do cenário econômico mundial de retração. Samuelson afirmou, como exemplo, que a surpreendente reação das economias dos países asiáticos após a crise de 97 veio impulsionada pelo "boom" da economia dos Estados Unidos. De lá para cá, o economista pondera, a economia global vive situação bem diferente: os Estados Unidos "flertam" com a recessão, enquanto a economia do Japão está estagnada."O resultado é que uma moratória argentina, por prejudicar o comércio e o fluxo de investimentos para a América Latina, poderia piorar a recessão global", afirma Samuelson. A dependência das economias latino-americanas aos investimentos externos, para financiar seus déficits em conta corrente, é citada como o caminho para o estrago que viria com a retração de capitais para os emergentes.No artigo, o economista cita o economista Charles Calomiris, da Universidade de Columbia, que prevê, como "inevitável", um calote da Argentina e que parte desse débito seria em dívidas com estrangeiros e em dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.