Câmara aprova julgamento político de González Macchi

A Câmara de Deputados paraguaia conseguiu hoje, inesperadamente, a maioria dos votos para submeter a julgamento o presidente Luis González Macchi - o que pode resultar em sua destituição por "mau desempenho das funções". A decisão de julgar o presidente foi tomada por 54 votos a favor, nenhum contra e 11 abstenções. O pedido de julgamento foi apresentado pelo deputado Blas Llano (PLRA), o qual argumentou, entre outras coisas, o uso indevido dos "gastos reservados" com que o orçamento nacional dota a Presidência da República. O deputado também alegou a suposta vinculação do chefe de Estado ao desvio de US$ 16 milhões de bancos privados transferidos pelo governo para contas de alto rendimento nos EUA e a utilização de um automóvel roubado no Brasil. Dentro de 15 dias, a Câmara dos Deputados apresentará a acusação formal contra o presidente, que em seguida será enviada ao Senado - que se converterá em tribunal para o julgamento do caso. Se o Senado considerar o acusado culpado e obtiver a aprovação da decisão por dois terços de seus 80 membros, o mandatário será afastado do cargo e os antecedentes serão passados para a Justiça ordinária, segundo estabelece a Constituição paraguaia. Embora a aprovação da medida tenha causado surpresa na opinião pública, a saída de González Macchi era uma hipótese que vinha sendo ventilada ultimamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.