Câmara argentina anula leis que anistiam ex-repressores da ditadura

Após oito horas de discussão, a Câmara dos Deputados da Argentina aprovou na noite desta terça-feira a anulação das leis de Ponto Final e Obediência Devida, leis que beneficiam pessoas acusadas de participarem da ditadura no país, entre 1976 e 1983. Agora, o projeto será debatido no Senado, depois passará pela Corte Suprema, que deverá declarar as duas leis inconstitucionais. Isso deve levar pelo menos 15 dias. Os deputados também ratificaram a adesão à Convenção sobre a Imprescritibilidade dos Crimes de Guerra e Contra a Humanidade das Nações Unidas, criada em 1968.Com a aprovação da medida, os processos que denunciam centenas de integrantes das forças de segurança de eliminarem seus opositores terão uma nova chance nos tribunais do país.A notícia foi recebida com festa pelos manifestantes que aguardavam o parecer em frente ao Congresso argentino. Entre eles estavam as mães e avós da Praça de Maio, que carregavam cartazes com fotos dos netos e filhos desaparecidos durante a ditadura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.