Câmara da Argentina aprova nacionalização da previdência

Projeto segue agora para o Senado argentino, onde pode ser votado dentro de até 10 dias

Fábio M. Michel, da Agência Estado, e Efe,

07 de novembro de 2008 | 03h38

A Câmara dos Deputados argentina aprovou, na madrugada desta sexta-feira, o projeto que nacionaliza o sistema previdenciário privado do país, que já tinha 14 anos. A proposta passou por 162 votos a favor e 75 contra.A presidente do país, Cristina Kirchner, anunciou o projeto duas semanas atrás, dizendo que o governo precisa cuidar de seu sistema de previdência, para impedir que os investimentos dos fundos de pensão sejam corroídos, em meio à crise financeira que abateu os mercados mundiais de ações.Líderes da oposição, contudo, questionaram as razões do governo, dizendo que Cristina Kirchner simplesmente quer o dinheiro para ajudar a sua administração a pagar parte dos US$ 20 bilhões da dívida do país que vence no ano que vem.O  projeto segue agora para o Senado argentino, onde pode ser votado dentro de até 10 dias. Se aprovado, o governo assume o gerenciamento de cerca de US$ 30 bilhões em aplicações. Os fundos de pensões, que contam com 9,5 milhões de filiados, estão nas mãos de bancos e seguradoras de capital argentino, espanhol, holandês e americano. As AFJP têm 55% de seus investimentos em bônus soberanos e outros 14% em ações de empresas, entre elas 14 que fazem parte do Merval, principal índice da Bolsa de Valores de Buenos Aires. As administradoras foram obrigadas nesta semana a repatriar investimentos de US$ 600 milhões nos demais países do Mercosul (Brasil, Paraguai e Uruguai), a maior parte deles no mercado de capitais brasileiros.

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINAPREVIDÊNCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.