Câmara de Madri dá ultimato a lixeiros em greve

A câmara municipal de Madri ameaçou hoje romper os contratos municipais de limpeza pública com as companhias privadas responsáveis pelo serviço caso elas não consigam dar um fim na greve de coletores de lixo na cidade.

AE, Agência Estado

13 de novembro de 2013 | 16h36

Desde que o a paralisação começou, há nove dias, pilhas de lixo se acumulam nas ruas da capital espanhola. Os lixeiros madrilenos protestam contra demissões e cortes nos salários.

A prefeita de Madri, Ana Botella, afirmou hoje que a cidade "não pode esperar mais por um acordo" para ter as ruas limpas e o serviço de coleta de lixo restabelecido.

Botella disse ainda que o lixo não oferece risco à saúde pública, mas a situação se tornou "intolerável". Latas e contêineres destinados a resíduos estão transbordando e espalham o mau cheiro na cidade.

Ela deu 48 horas para que as companhias façam um acordo com os trabalhadores em greve. Depois desse prazo, ela afirmou que a câmara municipal dará os contratos de limpeza para a empresa pública Tragsa. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Espanhagrevelixeiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.