Michael Reynolds/EFE
Michael Reynolds/EFE

Lei George Floyd: Câmara dos Deputados dos EUA aprova projeto de reforma policial

Aprovação acontece no dia que marca um mês da morte de George Floyd; proposta segue para o Senado, onde deve enfrentar maior resistência

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2020 | 02h06
Atualizado 26 de junho de 2020 | 15h28

WASHINGTON - A maioria democrata na Câmara dos Deputados conseguiu aprovar nesta quinta-feira, 25, um projeto de lei para uma profunda reforma policial nos Estados Unidos, em meio à polarização após o assassinato de George Floyd, que provocou protestos e demandas por mudanças em todo o país

No aniversário de um mês da morte de Floyd, a medida aprovada proíbe prisões com imobilizações por asfixia e mandados de prisão sem aviso prévio, restringe ainda mais a imunidade dos policiais, combate os perfis de etnia e estabelece um banco de dados para rastrear má conduta policial. 

No entanto, esse regulamento gera um confronto com o Senado, onde os líderes republicanos não pretendem aprová-lo. 

Os aplausos surgiram quando o projeto passou com 236 votos a favor e 181 contra, com 3 republicanos se unindo aos democratas. 

O presidente Donald Trump se opôs às medidas da Câmara e disse na terça-feira que os democratas estão levando ao "enfraquecimento de nossa polícia" e ao fim da imunidade policial. 

Em vez disso, o presidente apoia uma proposta republicana menos dura no Senado, que foi bloqueada pelos democratas na terça-feira, sem sinais de novas negociações. 

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse que seu projeto recebeu o nome de George Floyd, cujas últimas palavras foram "não consigo respirar" antes de morrer sob custódia da polícia de Minneapolis, acrescentando que essas palavras "mudaram o curso da história da nossa nação". 

A legislação "transformará fundamentalmente a cultura da polícia para combater o racismo sistêmico, reduzir a brutalidade policial e salvar vidas, pois põe fim à proteção da polícia contra a responsabilização", afirmou Pelosi. 

"Não pintamos toda a polícia com o mesmo pincel, mas para aqueles que precisam ser pintados com esse pincel, precisamos tomar as medidas contidas neste projeto." 

Pelosi e outros democratas rejeitaram o projeto de lei do Senado porque aponta uma reforma sem exigir nenhuma ação específica. 

Em vez de mandatos diretos, a proposta republicana incentivaria a mudança, negando doações federais a departamentos de polícia que não abolirem imobilização por asfixia ou usarem mandados sem aviso prévio. 

Os republicanos dizem que o projeto de lei seria um bom ponto de partida para negociar, mas os democratas argumentam que não é possível, e Pelosi disse que seria "um fracasso moral em aceitar algo menos que uma mudança transformacional"./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.