Câmara de Washington legaliza casamento gay

A Câmara da cidade de Washington aprovou ontem, por 11 votos a 2, projeto que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo na capital dos Estados Unidos. Agora, casais gays poderão se casar na cidade a partir de março. A aprovação ainda depende da assinatura do prefeito, que prometeu aprovar o projeto, e do Congresso, a quem cabe a palavra final sobre leis na capital do país. Três projetos semelhantes foram rejeitados pela Casa nos últimos 25 anos. No entanto, a representante de Washington no Congresso, Eleanor Holmes Norton, que não tem direito a voto, disse não esperar oposição à lei na Casa.

AE-AP, Agencia Estado

16 de dezembro de 2009 | 13h06

Membros da Câmara disseram que é simbólico que a capital do país tenha aprovado o casamento gay. Mas a cidade não é um reflexo dos Estados Unidos. Mais de três quartos dos eleitores da capital, de 600 mil habitantes, são democratas. Patrick J. Egan, professor de política da Universidade de Nova York, disse que Washington é a "jurisdição mais liberal e com o domínio democrata dos Estados Unidos".

Se o projeto virar lei, o distrito fará parte do grupo formado por Connecticut, Iowa, Massachusetts e Vermont, onde são emitidas licenças de casamento para casais do mesmo sexo. Casamentos gays serão permitidos em New Hampshire a partir de janeiro.

Mas em outras partes do país o processo não vai tão bem. Eleitores do Maine revogaram, no mês passado, a lei que permitia casamentos gays. No início de dezembro, o Senado do Estado de Nova York rejeitou um projeto sobre o tema e o Legislativo de New Jersey aditou recentemente uma votação semelhante porque havia indícios de que o projeto seria derrotado. "Sem dúvida, 2009 foi um ano terrível para a igualdade de direito de casamento", disse David Catania, que apresentou o projeto de lei em Washington e é um dos dois integrantes da Câmara declaradamente homossexual.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAWashingtoncasamento gay

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.