Ronaldo Schemidt/AFP
Ronaldo Schemidt/AFP

Câmara dos Deputados da Argentina aprova legalização do aborto; projeto vai para o Senado

Proposta, que autoriza a interrupção legal da gravidez até a 14ª semana de gestação, foi aprovada com 131 votos a favor, 117 contra e 6 abstenções

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2020 | 08h45
Atualizado 12 de dezembro de 2020 | 00h23

BUENOS AIRES - A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou nesta sexta-feira, 11, um projeto de lei para legalizar o aborto. O projeto, que autoriza a interrupção legal da gravidez até a 14ª semana de gestação, foi aprovado com 131 votos a favor, 117 contra e 6 abstenções. Agora, ele segue para o Senado, onde uma votação ainda mais apertada é esperada.

A votação ocorreu após um grande debate que teve início na quinta-feira. Ao longo das discussões, manifestantes a favor e contra a proposta se aglomeraram nas ruas do lado de fora do Congresso. 

Este ano, a iniciativa da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVE) até a 14ª semana de gestação foi apresentada pelo presidente de centro-esquerda Alberto Fernández, como forma de “garantir a todas as mulheres o direito à saúde integral”. “Sou católico, mas tenho que legislar para todos. É um problema de saúde pública muito sério”, declarou Fernández na quinta-feira.

“Estamos convencidos de que isso oferece uma resposta concreta a um problema urgente e estrutural de saúde pública”, disse Elizabeth Gómez Alcorta, ministra da Mulher, Gênero e Diversidade, ao abrir a sessão na Câmara dos Deputados. “Chegou a hora de parar de olhar para o outro lado.”

Os manifestantes que apoiavam o projeto se reuniram em frente ao Congresso usando lenços verdes para uma vigília noturna, aguardando a notícia. Uma votação semelhante para legalizar o aborto foi derrotada por pouco em 2018.

Grupos de oposição, usando lenços azuis claros, também saíram às ruas para protestar contra o projeto de lei.

A iniciativa inclui um projeto de lei paralelo que terá uma votação separada para ajudar as mulheres que desejam continuar com a gravidez e enfrentam graves dificuldades econômicas ou sociais.

Atualmente, a lei argentina só permite a interrupção voluntária da gravidez quando há um risco sério para a mãe ou em caso de estupro, mas ativistas dizem que muitas mulheres muitas vezes não recebem os cuidados adequados.

O país tem visto um aumento gradual do agnosticismo nos últimos anos. Embora o atual governo apoie fortemente o projeto de lei, esse não era o caso em 2018 durante o governo de Mauricio Macri. Naquela ocasião, após aprovação na Câmara, o Senado da Argentina rejeitou a proposta de legalização do aborto por 38 a 31, com duas abstenções.  /Reuters 

Tudo o que sabemos sobre:
abortoArgentina [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.